Natal se aproximando

segunda-feira, dezembro 29, 2014

10 Anos do Tsunami no Oceano Indico





Em 26 de dezembro de 2004, um terremoto submarino provocou gigantesca onda no
Oceano Índico, atingindo a Indonésia e mais 13 países. Cerca de 230 mil pessoas morreram.

FLAGELOS DESTRUIDORES

          Pergunta – A Humanidade sofre um profundo abalo com as tragédias naturais que se vêm repetindo, desde o tsunami de consequências indescritíveis, até a devastação de grandes metrópoles americanas, passando pelas tragédias (atentados terroristas) de Espanha e Londres. Como encara o mundo espiritual esse transe? 
          Divaldo Pereira Franco – Em momentoso estudo em torno da Lei de Destruição, inserta em O Livro dos Espíritos(1),  o egrégio codificador Allan Kardec interroga as Entidades venerandas que dirigem o progresso da Terra, a respeito dos flagelos destruidores, a partir da questão 747, com qual fim a Divindade fere a criatura humana através desses recursos. Eles elucidam que se trata da necessidade de regeneração moral dos Espíritos. Portanto, são decorrência das Leis Naturais, impondo os mecanismos da evolução aos rebeldes. Entretanto, no que se refere às calamidades provocadas pelo ser humano, como no caso do terrorismo, trata-se da inferioridade espiritual dos habitantes do planeta, arraigados ao infeliz materialismo, que os rebaixa à condição de hediondez moral.
          A Divindade não necessita dessa nefasta contribuição humana, porque dispõe dos flagelos destruidores, conforme vêm ocorrendo em toda parte. O ser humano, porém, ainda transitando em faixas de evolução primitiva, toma nas mãos a clava da justiça e entrega-se à violência em que termina consumindo-se, o que é profundamente lamentável.
          Este é, inegavelmente, o momento clímax da transição do mundo de provas e de expiações para o mundo de regenração.
          Pergunta – Poder-se-ão considerar regiões propensas aos grandes resgastes coletivos? Haverá mesmo regiões predestinadas a este sentenciar dos agentes dos escâdalos que no passado provocaram sofrimento e dor?
          Divaldo Pereira Franco – Sem qualquer dúvida, essas regiões estão assinaladas pelos fenômenos sísmicos e atmosféricos mais graves, a fim de facultarem aos Espíritos brutalizados, àqueles que se têm comprometido negativamente ao largo do tempo, os mecanismos inevitáveis da evolução, através do sofrimento coletivo, desde que se comprometeram em grupos e legiões de destruidores de povos e nações.
          Pergunta – De uma forma generalizada, assiste-se a um morticínio atroz provocado por homens-bomba onde o ódio cego não escolhe os objetivos. Estaremos perante um ciclo sem retorno?
          Divaldo Pereira Franco – Quando o ser humano desvaira, transforma-se em verdugo de si mesmo. A ausência de compreensão da finalidade da existência torna-o destituído de discernimento para evoluir, detendo-se nas faixas do primarismo animal, em que há perdominância do instinto por sobre a razão, impulsionando-o para os atos mais vis do processo antropológico.
          O ódio é a expressão do barbarismo que lhe viceja no Espírito, caracterizando-se pela crueldade e pelo desejo de destruição. Pior, ainda, quando doutrinas alucinadas propelem-no aos atos de covardia e de criminalidade, rebaixando-o à condição servil.
          Haverá retorno, sim, porque o progresso é inestancável, e ninguém, nem força alguma, o detém.       
          Pergunta – Todas as pessoas que desencarnam coletivamente têm necessariamente vínculos com o passado?
          Divaldo Pereira Franco – Sem qualquer dúvida. Quando ocorre uma calamidade generalizada, aqueles que se encontram envolvidos no processo do resgate estão se liberando de compromisso coletivo que foi assumido anteriormente em cujo período se praticaram males inomináveis contra o ser humano, isoladamente, e a sociedade em geral. Nem sempre, porém, têm vínculos individuais, uns com os outros, fazendo parte do grupo por afinidade vibratória.
          Pergunta – Na Revista Espírita(2), 1858, o Espírito São Luís afirma que, quando uma existência é colocada em perigo, isso representa uma advertência desejada antes da encarnação, para desvio do mal e para fazer o indivíduo tornar-se melhor. Seria isso a causa pela qual algumas pessoas não são atingidas durante uma catástrofe?
          Divaldo Pereira Franco – Não poucas vezes encontram-se pessoas não vinculadas à necessidade dos flagelos destruidores, no momento em que ocorrem. Todavia, são convidadas a graves reflexões, deles salvando-se, a fim de que suas existências tornem-se proveitosas, modificando a conduta e ampliando a área de serviço iluminativo pessoal e em benefício da Humanidade.
          Por esta razão, muitos homens e mulheres que se encontram no seio das ocorrências lamentáveis são salvos, de maneira às vezes inexplicável, como ocorreu no tsunami, e sempre sucede em outras ocorrências não menos dolorosas.
          Pergunta – Lembramos o Espírito André Luiz, no livro Nosso Lar(3), narrando sobre a preparação do plano espiritual para uma grande tragédia, que seria a Segunda Guerra Mundial. Poderia narrar-nos como os Espíritos agem do outro lado da vida perante esses fatos?
          Divaldo Pereira Franco – Conforme nos ensina O Livro dos Espíritos, na Parte 2ª, Capítulo IX, especialmente as questões de nºs 537 e seguintes, há Entidades que presidem os fenômenos da Natureza e os dirigem de acordo com as atribuições que têm.
          Na tradição de todos os povos existem esses arquétipos procedentes das gerações anteriores, que informam sobre a existência de elementais, gnomos, fadas gênios, sílfides, elfos, salamandras, orixás etc., que são responsáveis pelos fenômenos da Natureza, tanto na construção como na destruição, de forma que a Terra alcance o seu nível mais elevado na condição de mundo de regeneração.
          Sob o comando de Espíritos nobres e sábios, verdadeiros engenheiros siderais que planejam as ocorrências de todo matiz no planeta terrestre, aqueles cooperadores são incumbidos de realizá-las, qual sucede em nossa sociedade, no que diz respeito ao progresso individual e ao das massas.
          Depois de estudarem as necessidades daqueles que estarão incursos na depuração, através do flagelo destrutivo, elaboram as ações, utilizando-se dos fenômenos geológicos (como no caso do tsunami), outros de natureza diversa (incêndios, conflitos armados, guerras, acidentes coletivos) ou responsabilizam-se pela sua ocorrência, atendendo, desse modo, aos objetvos da evolução.
          Pergunta – Sabe-se, através de revelações mediúnicas, a causa passada das pessoas que desencarnaram durante catástrofes. No caso específico do tsunami, no Mar Índico, com mais de 150 mil mortes, qual teria sido a origem? Os Espíritos Benévolos tem informado algo a respeito?
          Divaldo Pereira Franco – Em comentário particular, sem que eu possa demonstrar a sua legitimidade, o Espírito Joanna de Ângelis informou-me que as vítimas do fenômeno destrutivo a que nos estamos referindo fizeram parte das antigas legiões bárbaras que destruíram praticamente a Europa e outros povos, no passado, especialmente Alarico I e seus exércitos, quando submeteram ao seu talante cruel vários países, incluindo a Trácia, a Grécia, havendo ameaçado antes Constantinopla, e, durante seis dias, que se prologaram por muito tempo, no ano 410 d. C., em que também ele desencarnou...
          Na questão nº 737, do referido O Livro dos Espíritos, Allan Kardec interrogou as Entidades espirituais (Com que fim fere Deus a Humanidade por meio de flagelos destruidores?), que responderam, conforme transcrevemos:
          “Para fazê-la progredir mais depressa. Já não dissemos ser a destruição uma necessidade para a regeneração moral dos Espíritos, que, em cada nova existência, sobem um degrau na escala do aperfeiçoamento? Preciso é que se veja o objetivo, para que os resultados possam ser apreciados. Somente do vosso ponto de vista pessoal os apreciais; daí vem que as qualifiqueis de flagelos, por efeito do prejuízo que vos causam. Essas subversões, porém, são frequentemente necessárias para que mais pronto se dê o advento de uma melhor ordem de coisas e para que se realize em alguns anos o que exigiria muitos séculos.”
          Divaldo prossegue:
          O planeta terrestre encontra-se em contínuas transformações, no quase intérmino processo de equilíbrio das suas forças. É natural que a acomodação das placas tectônicas gere calamidades como a que acabamos de acompanhar no sul da Ásia, provocando a hecatombe que todos lamentamos.
          Ao mesmo tempo, fenômenos sísmicos outros, avalanches, tufões, tempestades, tornados, aquecimento do planeta, sucedem-se a cada momento, como efeito inevitável desse fenômeno de adaptação do Orbe às condições cósmicas, e porque o ser humano habita-o em grandes áreas, inevitavelmente sofre-lhe os efeitos danosos.
          Quantos que, teimosamente, permanecem nas áreas de risco, já detectadas por especialistas que os advertem, sem lograrem resultados positivos?!
          Considerada a vida, porém, do ponto de vista espiritual, em que a jornada terrestre é somente um campo de experiências evolutivas, embora a dor que provocam, esses flagelos destruidores apressam o progresso moral dos Espíritos, que retornam ao seu mundo de origem mais evoluídos e menos sobrecarregados de conflitos e dívidas morais.
          Procurasse, porém, o ser humano viver em consonância com as Leis Cósmicas do amor, e muitos flagelos dessa e de outras naturezas ser-lhe-iam desnecessários, pois que, na sua condição de primitivismo, quando não são essas ocorrências, os crimes, a violência de todo porte e as guerras demonstram o atraso em que permanecem, quando a cultura, a ética e a civilização convidam-no para a fraternidade, o bem, o amor.
          Todas as ocorrências infelizes e perturbadoras que têm alcançado estatísticas aparvalhantes, na atualidade, são sinais inequívocos da grande transição, que ora parece será lamentavelmente coroada com a tragédia de uma guerra infeliz, como, aliás, o são todas as guerras...
          Allan Kardec, transcrevendo a opinião dos Espíritos em torno da questão de nº 742 de O Livro dos Espíritos, informou-nos que ainda há no ser humano a predominância da natureza animal sobre a natureza espiritual e transbordamento das paixões, que o propele à guerra. Graças a essa predominância, os atavismos perturbadores aturdem-no e se apresentam como conflitos, tais: a consciência de culpa, responsável pelo medo, pela timidez, pela insegurança pessoal, e muitos outros conflitos, ressaltando-se os transtornos neuróticos e psicóticos como a depressão, o distúrbio do pânico, a esquizofrenia... Igualmente, a ansiedade, o estresse, as fobias em geral são as paisagens emocionais de expressivo número de criaturas na atualidade, que têm preferido a alucinação à paz, que dimana do autoconhecimento e da vivência dos princípios morais da Doutrina de Jesus...
          Pergunta – Por que, à medida que o Planeta progride, parece que vão aumentando a violência, o desamor, as brigas familiares, etc.?
          Divaldo Pereira Franco – As mudanças, no atual momento, são ainda muito sutis e não percebidas. Acredito, mesmo, conforme as instruções dos Espíritos nobres, que a onda de alucinação e despautério continuará crescendo mais ainda, até atingir o clímax, quando todos compreenderemos a necessidade de alterar os rumos dos acontecimentos, trabalhando em favor da harmonia e da felicidade real, que é a transformação moral do ser humano para melhor.        
          No momento, em razão das telecomunicações, das facilidades com que as notícias viajam de um para outro ponto da Terra, recebemos um volume terrível de informações, especialmente perturbadoras. A criatura humana ainda se compraz nas notícias trágicas, infelizes, de lixo moral, esquecendo-se daquelas que dignificam e iluminam o ser humano, que poderiam estimular os valores ético-morais e espirituais.
          Sempre houve violência no mundo. Com a superpopulação e as comunicações rápidas, temos a impressão de que está havendo uma involução nos valores, quando, não obstante, nunca houve tanto amor como hoje. Basta que nos recordemos dos Organismos Internacionais da Paz, dos direitos humanos (ainda desrespeitados), da ONU, da Unesco, da OMS e de Saúde Mental, do Rotary, dos Lyons, da Maçonaria, das Minorias comportamentais e raciais, dos direitos da Mulher, da Infância e da Juventude, somente para citar alguns. Em época alguma da Humanidade, tantos se preocuparam com os demais, como em nossos dias...             

Livro:  A Jornada Numinosa de Divaldo Franco (Ensaio Biográfico): A Vida, a Obra
e o Ideário do Maior Médium e Comunicador Espírita da Atualidade
Sérgio Sinotti
LEAL – Livraria Espírita Alvorada Editora

Notas de Fernando Peron (outubro de 2014):
(1) – O Livro dos Espíritos. Allan Kardec. Várias editoras. Obra lançada em 1857, com 501 perguntas e respostas. A edição definitiva, com 1.019 questões, foi lançada em 1860.
(2) – Revista Espírita: Jornal de Estudos Psicológicos. Allan Kardec. Várias Editoras. 12 volumes: de 1858 a 1869 – cada um contemplando 12 edições do periódico (de janeiro a dezembro de cada ano). A edição da FEB – Federação Espírita Brasileira, ainda oferece um 13º volume: Revista Espírita, 1858-1869: Índice Geral. Allan Kardec, coordenação de Geraldo Campetti Sobrinho, indexação de Erealdo Rocelhou de Oliveira e Waldehir Bezerra de Almeida, consultoria em Tecnologia da Informação de Manoel Cotts de Queiroz.
(3) – Nosso Lar. Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito André Luiz. FEB – Federação Espírita Brasileira. É a primeira de uma série de obras revolucionárias, como se segue (ano de lançamento entre parêntesis): 1. Nosso Lar (1944), 2. Os Mensageiros (1944), 3. Missionários da Luz (1945), 4. Obreiros da Vida Eterna (1946), 5. No Mundo Maior (1947), 6. Agenda Cristã (1948), 7. Libertação (1949), 8. Entre a Terra e o Céu (1954), 9. Nos Domínios da Mediunidade (1955), 10. Ação e Reação (1957), 11. Evolução em Dois Mundos (1959), 12. Mecanismos da Mediunidade (1960), 13. Conduta Espírita (1960), 14. Sexo e Destino (1963), 15. Desobsessão (1964), 16. E a Vida Continua... (1968). As obras de número 11, 12, 14 e 15 são em parceria com o médium Waldo Vieira. A obra de número 13 foi psicografada unicamente por Waldo Vieira (Chico Xavier psicografou apenas o prefácio, pelo Espírito Emmanuel). Todas foram publicadas pela FEB – Federação Espírita Brasileira.
  





TRANSIÇÃO PLANETÁRIA

Sei – Serviço Espírita de divulgação Fevereiro 2011 – no 2197

Dirigindo-se aos espíritas, assim se expressou o Dr. Bezerra de Menezes em
mensagem transmitida,em 26 de agosto de 2010, pelo médium Divaldo Pereira
Franco no Grupo Espírita André Luiz, no Rio de Janeiro:
“Estes são os dias graves do Senhor!
É necessário que as criaturas humanas abramo-nos ao Evangelho Restaurado e
nos permitamos ser instrumentos do Condutor de Vidas, para que possamos
aplainar os caminhos que a sua misericórdia vem percorrer. Espíritas! Assumistes
um compromisso antes do berço...”
E a mensagem prossegue, falando de luta e fidelidade no esforço de implantação
da Era Nova, sempre, a partir da ação pessoal na vivência do bem. Nela, o Dr.
Bezerra informa ainda que a grande transição, anunciada por Jesus no Sermão
Profético e mais recentemente estudada na Doutrina Espírita como a passagem da
Terra da condição de mundo de expiação e provas para mundo de regeneração,
está iniciada e é irreversível.
O dedicado trabalhador espiritual Manoel Philomeno de Miranda que, pela
mediunidade de Divaldo Franco, já nos ofereceu obras de grande interesse,
abordando, principalmente, a grave problemática da obsessão, vem, agora, em seu
mais recente trabalho, focalizar a grande transição que ora vivenciamos. O título,
“Transição Planetária”, sintetiza perfeitamente o conteúdo da obra na qual o autor
descreve três tarefas de que lhe foi dado participar integrando equipes de
servidores desencarnados: o socorro às vitimas do grande tsunami de 2004, a
colaboração no processo reencarnatório de numeroso contingente de
espíritos oriundos de outra estrela de nossa galáxia e o combate à ação de
obsessores cruéis, que há séculos, se empenham na propagação do mal na
Terra.

No dia 26 de dezembro de 2004, a humanidade foi
surpreendida pelo tsunami que atingiu vários países banhados pelo Oceano
Índico, levando destruição e morte a centenas de cidades e povoados daquela
região. Nos dias subsequentes, as imagens da televisão mostravam o imenso
sofrimento que atingiu aquelas populações, elevando-se a quase 300.000 o
número de mortos. Manoel Philomeno informa que a espiritualidade já tinha
conhecimento do fato, preparando, antecipadamente, extensa instalação
espiritual sobre uma das áreas mais afetadas para onde foram recolhidos
milhares de desencarnados e de onde partiam as caravanas socorristas para o
atendimento às vítimas da grande tragédia. A narrativa apresenta diversos
aspectos desse trabalho, mostrando ainda que o bem legítimo paira acima de
divisões nacionais ou religiosas, pois a equipe de que ele fazia parte era
integrada também por um judeu, um sacerdote católico, um mulçumano e
mais duas pessoas de formação anglicana, cabendo a uma delas, que fora
médico quando na Terra, a direção do grupo, pela elevação que o
caracterizava e que se evidencia, apesar de sua simplicidade, ao longo do
trabalho.

Quanto aos imigrantes, provenientes da estrela Alcione, da Constelação
das Plêiades, a obra esclarece que eles aqui vêm a convite de Jesus, nosso
governador espiritual, para contribuírem, com sua bagagem de conhecimentos
e aquisições morais, nas transformações que se operam, acrescentando o
autor que juntamente com eles estão também retornando ao plano material
diversos profetas e benfeitores do passado que voltam a envergar a
indumentária carnal para, como fizeram em outras épocas, acelerar o
progresso humano. É interessantíssima a descrição que Manoel Philomeno faz
dos diálogos fraternos mantidos, pelo pensamento, com os companheiros de
Alcione, os quais, em suas respostas, se utilizavam de projeções mentais acerca
dos ambientes e atividades a que se reportavam. O autor se refere ainda à
colaboração de entidades especializadas em genética, fecundação e
obstetrícia na reencarnação desses nobres migrantes, cuja presença em
nossa humanidade se realiza consoante as condições mencionadas a esse
respeito no capítulo 4 da Segunda Parte de “O Livro dos Espíritos”.
Um espaço menor é reservado, na parte final da obra, ao combate incessante à
ação de líderes da obsessão, que, à frente de hostes criminosas, procuram, de
forma organizada e sistemática, impedir ou anular a construção do bem na Terra. O
autor acrescenta um detalhe significativo, qual seja, o fato de muitos desses
comandantes do mal serem antigos chefes religiosos que sofreram inclemente
perseguição por parte dos cristãos, desencarnando cheios de ódio contra estes.
Soou a hora da grande mudança.
Informados quanto ao que está ocorrendo, estamos, como espíritas,
convocados à participação consciente no labor imenso que se desenvolve sob
a direção amorosa de Jesus com vistas à implantação definitiva de seu Reino
na Terra.

PEDIDOS:
“Transição Planetária” tem 248 páginas, 14x21cm e é um lançamento da Livraria Espírita
Alvorada Editora: Rua Jayme Vieira Lima, 104 – Pau da Lima – CEP
41235-000 Salvador, BA – tel/fax (71)3409-8312, correi





ROTEIROS TERRESTRES

CAPITULO 4


Para mim, pessoalmente, aquela era uma noite muito especial. Reflexionando em

torno da mensagem ouvida a respeito do futuro da Humanidade, não pude sopitar

uma inefável alegria de viver os momentos tão significativos em torno da construção

da Nova Era.

Desde as remotas páginas do Evangelho de Jesus, assim como das narrações

do Apocalipse, e mesmo antes, existem revelações em torno de um mundo feliz na

Terra, após as terríveis flagelações que alcançariam as criaturas e as dilacerações

que sofreria o planeta.

Os sucessivos acontecimentos que estarreceram a sociedade, convidandoa

à análise em torno das convulsões que sacodem o mundo físico

periodicamente, enquanto os atos hediondos de terrorismo e de atrocidade

repetiam-se de maneira aparvalhante, eram sinais inequívocos da grande

mudança que já estaria tendo lugar no orbe terrestre.

Passados, porém, os primeiros momentos explorados pela mídia insaciável de

tragédias, outros fatos se tornavam relevantes, substituindo aqueles que deveriam

merecer mais estudos e aprofundamento mental, de maneira a encontrar-se

soluções para os terríveis efeitos da poluição da atmosfera, do envenenamento das

fontes de vida no planeta... É verdade que alguns movimentos bradavam em

convites à responsabilidade das nações e dos governos perversos, responsáveis

pela emissão dos gases venenosos, para logo tomarem vulto os planos de

divertimentos globais e de novas conquistas para o gozo e a alucinação.



Ainda o pranto das vítimas não secara nos olhos e os efeitos trágicos dos
acontecimentos nem sequer diminuíram, e as contribuições da solidariedade eram
desviadas para fins ignóbeis, enquanto os sofredores observavam a indiferença com
que eram tratados, relegados à própria sorte, após a tragédia que sofreram.
As praias de diversos países do Oceano Índico estavam juncadas de
cadáveres, dezenas de milhares jaziam sob os escombros das frágeis
construções destruídas e a insensatez turística já planejava novos pacotes
para outros paraísos e lugares de lazer e perversão que não foram
danificados...
Felizmente, mulheres e homens nobres, organizações e entidades humanitárias
sensibilizaram-se com a dor do seu próximo e acorreram com generosidade,
oferecendo alguns recursos que podiam diminuir o desespero das vítimas, dos
sobreviventes que tinham necessidade de reconstruir os lares e continuar as
experiências humanas.
O espetáculo espiritual nas regiões atingidas, no entanto, era muito grave.
De igual maneira, em razão da decomposição dos cadáveres humanos e de
animais outros e da ausência de água potável, era grande a ameaça do
surgimento de epidemias, e os Espíritos, abruptamente arrancados do
domicílio orgânico, vagavam, perdidos e desesperados, pelas áreas onde
sucumbiram, transformadas em depósitos de lixo e de destroços, numa noite
sem término, pesada e ameaçadora. Os gritos de desespero, os apelos de
socorro e os fenômenos de imantação com outros desencarnados infelizes,
constituíam a geografia extra-física dos dolorosos acontecimentos.
Acompanhávamos os tristes acontecimentos desde nossa comunidade, através
de recursos especiais que nos projetavam as imagens terríveis, recolhendo-nos às
reflexões do que seria possível contribuir para atenuar tanto desespero e cooperar
pelo restabelecimento da ordem.
O banditismo aproveitava-se da situação deplorável para estrangular as suas
vítimas, exploradores hábeis negociavam sobre os despejos dos perdidos e
alienados, conspirações hediondas forjavam hábeis manobras para a usurpação do
máximo daqueles que nada quase possuíam...
Era esse, de alguma forma, o espetáculo horrendo pós-tragédia do tsu-nami. No
dia seguinte, deveríamos reunir-nos com os organizadores da jornada à região
conflagrada, de modo a tomarmos conhecimento dos serviços de emergência a
serem realizados.
Amanhecera de forma esplêndida, com o céu azul turquesa nimbado de suave
claridade que iluminava toda a nossa comunidade.
Embora nos encontremos sob a mesma ação das leis que vigem na manutenção
do orbe terrestre, a luz do Sol que nos alcança, porque não encontra obstáculos
materiais para produzir o aquecimento contínuo, tem sempre a mesma temperatura,
também resultado de camadas especiais de energia emanada dos fótons que
envolvem o nosso campo vibratório. Dessa forma, não ocorrem alterações como
aquelas sofridas no planeta e decorrentes da sua posição em relação ao Astro-rei.
Deveríamos encontrar-nos às 10h, à sombra de venerando cedro no jardim que
circunda o Templo ecumênico, onde todos os religiosos das mais diferentes
convicções podem reunir-se para vivenciar as suas doutrinas.
O órgão derramava musicalidade especial, e quando nos aproximamos, Oscar e
nós, os demais membros se nos acercaram jovialmente.
Ivon Costa acompanhava o responsável pelo grave empreendimento, cabendolhe
o dever de apresentar-nos, o que ocorreu sem maiores circunlóquios.
- Temos o júbilo - começou o amigo - de pôr-vos em contato com o nosso
benfeitor, que está encarregado de conduzir-nos aos labores terrenos.
O novo amigo sorriu discretamente e ampliou os esclarecimentos, in-formando:
- Quando, no corpo somático, vivi o maior período da existência na região da
Polinésia. Fiz parte dos conquistadores que, em nome da civilização européia, se
impuseram aos ilhéus de uma larga faixa dos mares do Sul...
Guardando conceitos equivocados, considerávamo-nos superiores aos que
chamávamos indígenas e, em nome dos nossos falsos valores, lutamos para
aculturá-los com a nossa presunção de senhores do conhecimento.
"Ledo engano! À medida que convivíamos com eles descobrimos a sabedoria de
que eram portadores, no seu aparente primitivismo. Encontramos, nos seus cultos,
considerados grosseiros, informações profundas, que eram passadas de uma para
outra geração oralmente e pelos trabalhos a que se afeiçoavam. Seus xamãs, em
momentosas comunicações espirituais eram, ao mesmo tempo, sacerdotes e
médicos, pensadores e sábios, conselheiros, administradores e psicólogos
eficientes...
"Com eles tomamos conhecimento da interferência dos mortos na existência dos
vivos e aprendemos que a terapia mais eficiente diante dos desafios do binômio
saúde-doença é sempre o amor expresso no respeito recíproco e nos cuidados que
são oferecidos por todos aos membros do clã.
Com o suceder do tempo, optei viver com a sua ingenuidade, assimilando os
seus costumes e as suas habilidades...
A existência tornou-se longa e proveitosa, permitindo-me amar sem condições e
receber o tributo do respeito e do afeto dos seus sentimentos puros.
"A desencarnação de maneira nenhuma afastou-me da sua convivência, e agora,
quando a desolação e a tragédia assolam, entre aqueles que muito lhes devemos,
candidatei-me a participar de uma das caravanas de auxílio em nome da gratidão."
Calou-se, por um pouco, e, emocionado, concluiu:
- Sou o vosso irmão Charles White, de origem inglesa, que exercera a
medicina convencional...
"Encontramo-nos em vossa Colônia, realizando um estágio, para o qual
trouxemos diversos amigos, que vestiram a indumentária de diferentes
nacionalidades, a fim de treinarmos técnicas de socorro especial com os vossos
guias e podermos aplicá-las em nossa área de atendimento, conforme, logo mais,
teremos oportunidade de o fazer.
Indispensável que conheçais aqueles com os quais convivereis por um mês em
atividade de amor, exercitando solidariedade na região que nos aguarda, no amado
planeta terrestre.
"Sede bem-vindos à nossa caravana."
Ivon, logo depois, apresentou-nos jovem Espírito na feminilidade, que servia de
auxiliar de enfermagem ao esculápio e mais dois outros dedicados servidores que
se radicaram anteriormente nas Filipinas...
De imediato, estabelecemos laços de simpatia e amizade, desde que estaríamos
juntos a partir daquele momento, abraçando as responsabilidades do Bem.
— Nosso empreendimento — explicou-nos o Dr. Charles —
está dividido em duas fases: a primeira delas terá lugar na
região do tsunami, e a segunda na psicosfera do Brasil,
preparando as mentes e os sentimentos para as
reencarnações especiais.
Depois de expor o projeto em que nos encontrávamos comprometidos, liberounos,
estabelecendo às 18h, como a ocasião de ser realizada a viagem ao planeta
amado.
A curiosidade espicaçava-me a mente, considerando a magnitude do labor
desenhado, especialmente em razão da convivência que teríamos com Espíritos de
culturas diferentes e hábitos com os quais não me encontrava familiarizado.
Os amigos filipinos logo se permitiram identificar: o mais idoso informou-nos
haver sido sacerdote católico numa das muitas ilhas e chamava-se Marcos. Haviase
dedicado ao ministério da fé religiosa e à educação infantil, havendo
desencarnado nos idos do ano de 1954 aos setenta anos de idade.
O outro, mais jovem e sorridente, vestia-se de maneira própria do seu povo, e
logo se desvelou, elucidando que pertencia à religião muçulmana e era conhecido
como Abdul Severin, que desencarnara vitimado por febre palustre aos 40 anos de
idade.
A caravana, portanto, se constituía de membros de variada formação espiritual,
que possuía como ponto comum de entendimento o amor que vige soberano no
Universo, como uma das forças de equilíbrio cósmico, considerando-se ser de
essência divina.
Por nossa vez, Oscar expôs a sua formação judaica, e nós outro referimo-nos à
adoção do comportamento espírita.
De maneira comovedora demo-nos conta de pertencermos à mesma grei,
conforme assinalou Ivon, jovialmente: O Bem Imarcescível!
Nossos diálogos prolongaram-se, enquanto o Dr. Charles e sua auxiliar Ana, de
formação anglicana, providenciavam os equipamentos necessários à primeira fase
das próximas atividades.
O padre Marcos, que conhecia a região que visitaríamos, esclareceu-nos que
o insólito e trágico choque das placas tectônicas gerador das imensas ondas
destrutivas, era aguardado, e que providências espirituais haviam sido
tomadas, inclusive, construindo-se um posto de socorro espiritual sobre a
região que sofreu mais danos decorrentes do epicentro da catástrofe.


Engenheiros e arquitetos desencarnados movimentaram-se com rapidez e
edificaram uma comunidade de emergência, que a todos nos albergaria logo
mais, recebendo também aqueles aos quais socorrêssemos.
Curiosamente ampliou os esclarecimentos, informando que os ocidentais em
férias que se fizeram vítimas, mantinham profunda ligação emocional com aquele
povo e foram atraídos por forças magnéticas para resgatar, na ocasião, velhos
compromissos que lhes pesavam na economia moral...
- Nada acontece, sem os alicerces da causalidade! - concluiu.
Surpreso, perguntei-lhe como conciliava o conceito da reencarnação com os
dogmas esposados pela sua formação católica.
Gentil e educado, esclareceu-me:
- O caro Miranda não ignora que as formulações da Verdade partem deste
mundo real na direção da Terra, e que as religiões as vestem de superstições, de
lendas e dogmas, conforme os níveis de consciência das criaturas que lhes aderem,
velando umas e liberando outras. Nada obstante, quando retornamos ao país da
imortalidade desaparecem as fórmulas, dando lugar ao surgimento da essência que
logo assimilamos por afinidade e pela lógica do Bem universal.
Sorrimos, agradavelmente, e prolongamos a edificante conversação até duas
horas antes de iniciarmos o novo empreendimento.
Ivon e nós outro, deveríamos participar da experiência iluminativa, como um
estágio de aprimoramento espiritual, na região sofrida, acompanhados por Oscar,
que se encontrava estagiando em nossa comunidade, para o mesmo
empreendimento.

Ivon e nós outro, deveríamos participar da experiência iluminativa, como um
estágio de aprimoramento espiritual, na região sofrida, acompanhados por Oscar,
que se encontrava estagiando em nossa comunidade, para o mesmo
empreendimento.

NOVAS EXPERIÊNCIAS

CAPITULO 5

A pós algum tempo de repouso e de meditação, deixei-me inspirar pela oração,
entregando-me ao Senhor da Vida para o ministério que deveria exercer com os
nobres Espíritos que logo mais visitaríamos a Terra.
Um balsâmico bem-estar inundou-me os sentimentos e não pude conter as
lágrimas de alegria e de gratidão aos Céus, por permitir-me aprender no trabalho e
com o exemplo dos mais abnegados.
Às 18h, encontramo-nos, e após uma oração pronunciada pelo Dr. Charles
White, tomamos o veículo especial que nos conduziu à cidade de Sumatra, na
Indonésia, considerado o quarto país mais populoso da Terra, que fora assolada
entre outras cidades dos muitos países atingidos, onde deveríamos instalar-nos com
os demais grupos que nos anteciparam. A cidade tivera mais de dois terços da
sua área afetada pela inundação e pela destrui-ção... Igualmente considerada o
país mais populoso dentre os muçulmanos, seu povo, espalhado pelas inúmeras
ilhas, não podia imaginar a grandeza da calamitosa ocorrência, por falta de
comunicação entre aquelas de origem vulcânica e as outras de formação calcária...
Alguns Espíritos nobres acercaram-se da região no começo de dezembro
(2004), a fim de organizarem as comunidades transitórias para receberem os
que desencarnariam em aflição, no terrível futuro evento sísmico.
Transcorrido algum tempo de viagem, chegamos à comunidade espiritu-al
situada sobre a área tristemente atingida.
Embora houvéssemos acompanhado alguns lances da tragédia em nossa
Colônia, podíamos agora ver diretamente os danos causados pela onda
imensa e as que a sucederam, destruindo tudo com a velocidade e a força
ciclópica do terremoto nas águas profundas do oceano Indico, e logo depois,
as contínuas vibrações e seguidos choques destruidores.
A força tempestuosa espalhara-se pelas costas da índia, do Sri Lanka, da
Tailândia, das Ilhas Phi Phi, das Maldivas, de Bangladesh, de parte da Áfri-ca e
de outros países, embora com efeitos menores que alcançaram o Atlân-tico...
Como resultado lastimável ocorreram alterações na massa terrestre, no seu
movimento, na inclinação do eixo, que embora não registradas com faci-lidade
pelos seus habitantes, foram detectadas por instrumentos sensíveis.
A primeira onda avassaladora ceifara mais de 150.000 vidas,
enquanto as sucessivas carregadas de destroços de casas, barcos e
construções de todo tipo, de árvores arrancadas e pedras,
semearam o horror, arrasando as co-munidades litorâneas...
A psicosfera ambiental era densa, denotando todos os sinais inequívocos das
tragédias de grande porte.
Ouvíamos o clamor das multidões desvairadas, enlouquecidas pelo sofrimento
decorrente da morte dos seres queridos, assim como em relação aos
desaparecidos, à perda de tudo, vagando como ondas humanas sem destino.
De imediato, começaram a chegar as contribuições internacionais, porém, os
instintos agressivos dominavam grupos de exploradores, de vadios e criminosos que
se aproveitavam da oportunidade para ampliar a rapina e o terror.
Tempestades vibratórias descarregavam energias densas sobre o rescaldo
humano e geográfico, confrangendo-nos sobremaneira.
Logo após encontrarmos o lugar que nos deveria servir de suporte para as
incursões ao planeta, onde igualmente se alojavam outros grupos espirituais
socorristas, o nosso gentil condutor explicou-nos qual a tarefa que deveríamos
desempenhar naqueles primeiros minutos e, orientando-nos, mergulhamos na
densa noite que se abatia sobre a região devastada.
Os corpos em decomposição amontoavam-se em toda parte, após
ligeira identificação de familiares e a remoção de alguns para outros
lugares, chamando-nos a atenção as fortes ligações espirituais
mantidas pelos recém-desencarnados, que nem sequer se haviam
dado conta da ocorrência grave. Imantados aos despojos,
estorcegavam, experimentando a angústia do afo-gamento, as dores
das pancadas produzidas pelos destroços, o desespero defluente da
ignorância... De quando em quando escutavam-se preces e sú-plicas
dirigidas a Allah, logo seguidas de blasfêmias e imprecações
tormentosas.
Movimentavam-se muitos encarnados em atividades de auxílio, apesar da noite
densa, demonstrando a solidariedade humana, inúmeros dos quais haviam chegado
de outros países, especialistas nesse tipo de socorro, que se misturavam aos
caravaneiros do Além, igualmente dedicados ao amor ao próximo.
O Dr. White caminhou entre os muitos destroços e cadáveres na direção de
um grupo de desencarnados, que me fazia recordar uma alcatéia de lobos
famintos, ou chacais disputando os despojos das presas mortas... A balbúrdia
era expressiva, e o pugilato entre alguns Espíritos era igualmente
vergonhoso...
- Disputam as energias dos recém-desencarnados - elucidou o respeitável
médico.
"Com essa atitude, agridem os Espíritos em desespero, que mais se
apavoram e tentam absorver-lhes as energias animais de que se nutrem,
iniciando o infeliz processo de vampirização. Identificando-se com aqueles
cujas existências foram de irresponsabilidade, o que lhes permite a sintonia
vibratória, buscam exauri-los, o que apressará a decomposição cadavérica,
arrastando-os para regiões de desdita onde os submeterão a sevícias e
exploração mental de longo curso.
"E como são profundamente infelizes, disputam as vítimas como fariam os
animais ferozes com os despojos das caças que acreditam pertencer-lhes...
"Nosso compromisso de momento é afastá-los do local e tentar despertá-los para
a sua realidade espiritual."
Aproximamo-nos, e a um sinal do médico, Abdul, que se encontrava com a
indumentária muçulmana convencional, levantou a voz e recitou um ayat (versículo)
de uma das Suras (capítulos) do Corão, em tonalidade ritmada, qual faria um
muzlim no seu recitativo na torre da mesquita...
Com vibração especial e profunda, o amigo continuou emitindo o som que
envolvia as palavras, e, subitamente, houve um silêncio aterrador, com os
bandoleiros espirituais como que despertando da alucinação. Nesse momento, Ana
aproximou-se carregando um archote que clareava o ambiente, erguido com o braço
direito acima da cabeça e, tomados de espanto, os vampiros e exploradores
pararam a agressividade.
Um deles destacou-se com o semblante fescenino e cruel, gritando que nada
tinha a temer, e que todos se voltassem contra os invasores e os submetessem.
Abdul, porém, manteve-se irretocável, continuando a recitar o Livro, com respeito
e seriedade, o que produzia impacto muito grande na massa alucinada.
Foi então, que o Dr. White explicou-lhes a ocorrência que
tivera lugar pouco tempo antes, naquele dia 26 - era ainda
dezembro - a partir das 8h da manhã, e todos eles, colhidos
pela morte, necessitavam de justo repouso, assim como os
seus despojos deveriam ser cremados coletivamente, a fim
de serem evitadas as epidemias que sucedem após esses
infaustos acontecimentos, recordando que já se anunciavam
algumas...
Ante o espanto natural que tomou conta dos desordeiros espirituais, o padre
Marcos tomou das mãos que pareciam garras de um deles, o Espírito que se
debatia entre os fluidos materiais como resultado das ligações do perispírito ainda
não totalmente interrompidas, o que lhe proporcionava angústias inenarráveis e o
pavor pelo que experimentava decorrente do rude verdugo, que não resistiu ao
gesto bondoso.
Observando os vínculos que se alongavam até um dos cadáveres em
deplorável estado de decomposição, o religioso, com movimentos circulares,
no sentido oposto aos ponteiros do relógio, trabalhou o chakra coronário,
deslindando o Espírito que gemia e retorcia-se em agonias inenarráveis, até
que as cargas densas e pútridas que eram eliminadas, a pouco e pouco foram
diminuindo de volume e esgarçando-se até diluir-se totalmente. Vi, então, o
desencarnado cambalear e desfalecer...
Ajudado por Ivon, o benfeitor retirou-o do magote, colocando-o a regular
distância, em sono agitado, dando prosseguimento com outro infeliz.
O agitador que ameaçava Abdul, disparou em velocidade abandonando o grupo,
enquanto o servidor do Bem continuava conclamando-os à paz, ao respeito pelas
vítimas, à compaixão e misericórdia preconizados pelo seu livro sagrado.
Ato contínuo, embora prosseguisse a agressão de alguns mais rebeldes,
seguimos a atitude do padre Marcos e procuramos atender alguns sofredores
em comovedora aflição, que se libertavam das mãos perversas que os
exploravam, trabalhando-lhes as fixações perispirituais, de modo a atenuarlhes
os sofrimentos acerbos... À medida que eram diminuídas as ligações com
os cadáveres a que se encontravam imantados, experimentavam o torpor da
desencarnação, entrando em sono agitado, típico das últimas imagens
captadas antes da morte física...
Colocados um pouco distante da zona infectada pelos fluidos densos e danosos,
grupos de padioleiros que se dedicavam a transferi-los para nossa comunidade
espiritual temporária, conduziam-nos silenciosamente.
Enquanto ocorria essa atividade, Abdul falava diretamente com alguns
obsessores e zombeteiros que se encontravam presentes, explicando-lhes o sentido
da vida e as Leis que regem o Universo, naturalmente incluindo o sombrio mundo
em que se agitavam tentando manter o mesmo comportamento vivenciado na Terra.
Tratava-se da necessidade de transformação moral para melhor, a fim de
poderem viver realmente, libertando-se da né-voa que lhes entorpecia a inteligência
e alucinava os sentimentos.
Conhecedor da alma humana, o hábil esclarecedor não se intimidava ante as
ameaças de alguns seres hediondos que dele escarneciam, assim como de todos
nós, gritando epítetos vulgares e aberrantes, ameaçando-nos de combate em
defesa dos seus interesses.
Sem enfrentamento verbal ou mental, continuávamos cuidadosamente em nosso
mister, diminuindo o número daqueles que se mantinham fixados nos corpos
danificados, desejando reerguê-los, retomá-los, para prosseguirem na caminhada
humana... Dando-se conta da impossibilidade, caindo na realidade que não
desejavam aceitar, perdiam completamente a lucidez e atiravam-se de encontro ao
solo ou uns contra os outros, revoltados e em pranto de agonia, impedindo qualquer
ajuda de nossa parte. Era natural, por-tanto, que houvesse um ponto de contato que
nos facilitasse a execução do mister a que nos dedicávamos.
Não existem violências nas Leis de amor, sendo necessário qualquer forma de
identificação entre aqueles que necessitam e quem se predispõe a ajudá-los.
Eis por que, não poucas vezes, o sofrimento ainda é a melhor psicoterapia de
que a vida se utiliza para despertar os dementados pelo prazer e os aficionados da
crueldade.
O labor era exaustivo e de grande significado, porque o auxílio liberador a cada
Espírito que se beneficiava com a dádiva do sono e a imediata transferência para
um dos setores de auxílio em nossa Esfera, assinalava-lhe o novo caminho a
percorrer, após despertar do letargo que passariam experimentando por algum
tempo.
Momentos houve de agitação, porque alguns dos exploradores de energia
recusavam-se ceder as suas vítimas ao nosso apoio, altercando e apresentando-se
em condições próprias para um pugilato físico, distante de qualquer método de
equilíbrio.
O Dr. White, porém, comunicava-se mentalmente conosco, estimulando-nos ao
prosseguimento, aproveitando-se da indecisão de alguns verdugos, vinculando-nos
a Jesus no Seu ministério de amor junto aos obsidiados a quem socorrera, usando
da Sua autoridade, e, desse modo, continuamos.
A patética da gritaria infrene e da desolação em volta comovia-nos, no entanto,
não podíamos deslocar-nos mentalmente da atividade que nos dizia respeito
naquele reduto de putrefação e loucura.
Atendendo a uma mulher desvairada que segurava uma criança também
lacrimosa e inconsolável, percebi-lhe a alucinação defluente do momento em
que se desejou salvar com a filhinha de poucos anos de idade, buscando a
parte superior da casa em que viviam, e a onda arrancou-a dos alicerces
despedaçando-a e esmagando contra os destroços ambos os corpos. Podiase
ver-lhe os registros na mente alucinada... Não parava de gritar suplicando
socorro, acreditando-se, como realmente se encontrava, perseguida por seres
demoníacos que a desejavam submeter...
Tocando-lhe a fronte espiritual e emitindo sucessivas ondas de amor e de
paz, percebi que me captava o pensamento e, porque estivesse estimulada à
fé religiosa, pôde perceber-me em seu e no auxílio à filhinha, deixando-se
conduzir para fora do círculo em que se encontrava aprisionada, embora ainda
vinculada ao corpo reduzido a frangalhos. A pequenina encontrava-se livre da
injunção perispiritual da matéria, e logo asserenou-se ao receber as vibrações
que se exteriorizavam deste servidor em sua direção.
Ivon veio em meu socorro e começamos a concentrar a nossa atenção nos laços
que a mantinham presa ao veículo carnal sem qualquer utilidade naquele momento.
Algum tempo depois, após conseguirmos esgarçar as ataduras energéticas entre o
Espírito e a matéria, por fim, acalmou-se, deixando-se conduzir, enquanto chorava
comovedoramente, lamentando o acontecimento da desencarnação de que se dava
conta.
Buscamos falar-lhe de imortalidade através do pensamento que ela captava,
apresentando-lhe a filhinha que deveria cuidar, prosseguindo como se
estivesse na Terra e preparando-se para auxiliar aos demais familiares que, se
não estivessem conduzidos pelo carro da morte, muito necessitariam da sua
cooperação, para poderem continuar no processo de recuperação nos dias
porvindouros.
Convidada à reflexão da família, o instinto maternal apresentou-se-lhe mais forte
e ela acedeu em acalmar-se. Conseguiu locomover-se, embora com alguma
dificuldade, abraçando a criancinha que adormecera no seu regaço, e a conduzimos
a um grupo de auxiliares especiais que, a partir da-quele momento, se
encarregariam das providências compatíveis ao seu esta-do.
Ainda não víramos tudo de que a natureza humana é capaz enquanto lhe
predominam as forças brutais do primarismo.
Estávamos absortos no atendimento daquela mole sofrida, quando al-guns
indivíduos ainda reencarnados, começaram a remover os corpos sem qualquer
consideração, aproveitando-se das sombras terríveis da noite.
- Trata-se de assaltantes de cadáveres - informou-nos Dr. White - que os estão
vasculhando em busca de qualquer coisa de valor, considerando-se que a morte os
surpreendeu num momento de atividade normal, sem aviso prévio.
Embora as autoridades estejam tentando pôr ordem no caos, os infelizes
aproveitadores recorrem a todos os expedientes possíveis, objetivando lucrar com a
desdita dos outros. Removendo os cadáveres em putrefação, não re-ceiam
contaminação da alguma natureza e suportam os odores terríveis dominados pelo
álcool que antes ingerem e pela ambição desmedida de amealhar algo para os
prazeres degradantes.
"Continuemos sem prestar-lhes atenção, desde que estamos em campos
vibratórios muito diferentes."

O SERVIÇO DE ILUMINAÇÃO

CAPITULO 6

As horas sucediam-se lentas e pesadas. O grupo que atendíamos era constituído
por quase mil vítimas da tragédia sísmica. Aparentemente pequeno era o resultado
do nosso esforço, embora nos encontrássemos empenhados com carinho na
execução da atividade que nos foi reservada.
A noite tornava-se cada vez mais pavorosa do ponto de vista humano, em razão
dos horrores que se manifestavam sem cessar.
Na esfera física, a procura de cadáveres para identificação era afligente, porque
as pessoas choravam e imprecavam sem lucidez em torno do que exteriorizavam.
Era uma catarse coletiva sob a inclemência das sombras tormentosas.
Do nosso lado, não era menos angustiante a paisagem espiritual.
Ana continuava a manter o archote aceso derramando claridade no local
sombrio e truanesco. Em determinado momento, escutamos uivos arrepiantes
e vimos em movimento uma densa formação agitando-se e aproximandose
como se empurrada por ventos suaves, imperceptíveis para nós outros. ...
Ao acercar-se, podemos ver em hediondez diversos Espíritos com fácies e
formas lupinas como se estivéssemos em um cenário de imaginação doentia,
observando antigos seres humanos que se fizeram vítimas da zoantropia. Com
aspectos repelentes e hórridos, eliminavam baba pegajosa pelas bocas
escancaradas e os olhos brilhantes procuravam os cadáveres cujos Espíritos
estávamos libertando.
Subitamente tentaram atirar-se sobre um dos montes de membros e corpos
misturados, como se estivessem esfaimados.
Nesse comenos, Dr. White sinalizou ao padre Marcos que, rápido e seguro,
desdobrou uma rede de fios luminosos e de ampla proporção, no que foi auxiliado
por Ivon e Oscar, atirando-a com habilidade sobre o monturo fétido... De imediato,
pudemos perceber que se tratava de uma defesa magnética, irradiando energia
especial que apavorou os agressores, que certa-mente a conheciam, fazendo que
se afastassem em tropel rápido, sem maiores perturbações para o nosso labor.
Fora a primeira vez que me deparara com cena de tal porte.
Percebendo-me as interrogações mentais, o hábil diretor veio-me em socorro,
explicando-me:
- Trata-se de Espíritos muito infelizes, cujas existências na
Terra foram terrificantes e que construíram as aparências
perversas atuais como decorrência do mal que praticaram
indiferentes ao sofrimento que causavam. Haviam perdido a
sensibilidade do amor e, por isso mesmo, deformaram
psiquicamente o perispírito que, após a desencarnação do
corpo somático, encarregou-se de modelá-los conforme se
encontram. Sucede que a única diferença em relação aos
demais casos de zoantropia, é que, normalmente, a
ocorrência é individual, no entanto, porque constituíam um
grupo asselvajado que laborava em conjunto, o fenômeno
alcançou-os a todos, neles plasmando a deformidade lupina
que os faz temerários, imprimindo-lhes as necessidades
alimentares típicas do gênero canis lúpus, mantendo a
mente entorpecida... Por automatismo, prosseguem na
sanha do desequilíbrio até o momento quando a misericórdia
de Deus deles se compadeça e sejam re-cambiados às
reencarnações expiatórias muito dolorosas...
"A mente é sempre a geradora de bênçãos ou de desditas, porque dela
procedem as aspirações de uma assim como de outra natureza. Quando as
criaturas humanas considerarem a força do pensamento que procede do ser que
são, haverá mudança radical de comportamento moral e social, dando lugar às
conquistas relevantes da imortalidade triunfante.
"Por enquanto, é natural que o processo ainda se encontre em fase prepa-ratória,
dando lugar às aberrações que tomam corpo no mundo físico, caracterizando a
decadência dos valores éticos e morais, nas esperanças de felici-dades que
soçobram no mar encapelado das paixões.
"Não são poucos, no campo das comunicações, na Terra, os
decantados multiplicadores de opinião, que
sintonizam com as Entidades bestializadas, que os submetem ao
talante das suas aberrações, durante largos períodos de
desdobramento pelo sono fisiológico, imprimindo profundamente no
cerne do ser de cada um, a devassidão, o desvario, a degradação
moral. Retornando ao corpo somático, recordam-se das
experiências viciosas em que se comprazem e estimulam os seus
aficionados, cada vez mais, à luxúria, ao sexo açodado pelas drogas
alucinógenas, pelo álcool, pelas substâncias farmacêuticas
estimulantes...
"Não seja de surpreender a debandada das gerações novas para
as músicas de sentido infeliz, nos bailes de procedência primária e
sensualidade, onde a perversão dos sentimentos é a tônica, e o
estímulo à violência, à rebeldia, à agressividade constitui o
panorama da revolta, afinal contra o quê? Tornam-se adversários do
denominado contexto, em vez de desenvolverem os valores
dignificantes para melhorá-lo, mergulham fundamente nas paixões
mais vis, tornando piores para eles mesmos e para os outros os dias
que enfrentam... Fogem, então, para a consumpçáo por meio das
drogas, da exaustão dos prazeres sensuais e perversos.
"De pequena monta a contribuição da responsabilidade e do
dever, ainda distantes de serem avaliados devidamente. Essa tarefa
libertadora, sem dú-vida, cabe à educação das novas gerações, a fim
de que sejam criados novos hábitos de convivência e de
comunicação saudável, dando lugar ao desen-volvimento das forças
vivas do Bem inatas em todos os indivíduos.
"Podemos ver aqui as paisagens defluentes dessas condutas
arbitrárias e deslocadas no tempo e no espaço, transformadas em
sofrimentos de longo prazo, que o amor irá modificar no momento
próprio."
Não havia oportunidade para mais esclarecimento e divagações sobre o tema
relevante, porque agora chovia energia causticante, que fazia lembrar os raios
durante as tempestades, aumentando as dores das vítimas de si mesmas,
arrebatadas do corpo pela desencarnação em massa.
Curiosamente relampejava na sombra temerária, e essas claridades eram
psíquicas, que predominavam na região mesmo antes do acontecimento terrível.
Turistas de diversos países europeus, especialmente
nórdicos e america-nos, franceses e alemães,
escolhiam aquelas regiões para os prazeres do corpo
sem qualquer compromisso com a beleza das
paisagens dos mares do sul, com a sua natureza ainda
semi preservada... Muitos viajavam para aqueles
paraísos, quais a Tailândia, as ilhas Maldivas, as ilhas
Phi Phi e outras, para desfrutarem das facilidades
morais, sexuais, de jovens adolescentes vendidos
pelos pais irresponsáveis ao comércio da
licenciosidade... Hábitos ancestrais ainda vigentes de
total desrespeito pela mulher e pelo ser humano,
facultavam a larga prostituição de meninas e de
meninos que serviam de mascotes aos ocidentais que
os podiam comprar a preço bastante acessível para
eles.
Ao largo dos últimos anos, as mentes geraram essa psicosfera doentia nas
regiões agora afetadas pela calamidade que teve uma função purificadora para toda
a região, alterando os costumes e propondo novos comportamentos morais pela
dor, advertindo a respeito da fragilidade e temporalidade da vida orgânica, e que,
infelizmente, ainda não apresentava qualquer possibilidade de melhora. Pelo
contrário, aconteciam a revolta, o suborno, o desvio dos auxílios internacionais, a
dominação dos mais fortes sobre os mais fracos, que ficariam à mercê da própria
sorte em relação ao futuro sombrio em cujo rumo avançavam.
Como as religiões lentamente estavam perdendo prestígio, mantendo regras de
comportamento na teoria e mancomunando-se com os poderes tem-porais indignos,
as criaturas encontravam-se sem norte, vagando nas ocorrências mais apetecidas e
menos laboriosas... O dinheiro fácil era o que lhes importava, a fim de saírem da
miséria financeira e embriagarem-se no consumismo devastador.
Como faz falta a presença de Jesus no mundo, assim como dos Seus
embaixadores que, através dos tempos, vieram preparar-Lhe o advento!
As Suas propostas ricas de ternura e de esperança, de consolo e de amor
ainda não conseguiram penetrar realmente nos Seus seguidores, menos ainda
naqueles que O não conhecem, dando lugar às loucuras do imediatismo, do
desgaste emocional e moral nos jogos dos desejos infrenes. A iluminação
espiritual é trabalho de largo porte, que exige abnegação e devotamento,
compensando através da paz que proporciona e da alegria de viver sem
condicionamentos extravagantes nem dependências doentias.
Empenhados na atividade especial de ajuda aos irmãos aflitos, sucediam-se os
quadros de dor, cada qual específico, em razão de cada pessoa ser única e
especial, seus problemas e ambições muito próprios, caracterizando-lhe o nível de
evolução.
Abdul, suavemente iluminado, podendo ser percebido pela maioria dos Espíritos
perversos que disputavam as carcaças humanas e tentavam submeter os seus
antigos hóspedes físicos, continuava no recitativo do Alcorão, suplicando, vez que
outra, a ajuda dos Céus para os sofredores e seus algozes.
Subitamente, no círculo de aflições, destacou-se uma mulher de olhar
esgazeado que procurava a mãezinha, também vítima da catástrofe. Gritava, já
afônica, pelo nome da genitora, tentando desembaraçar-se do corpo sem o
conseguir, constrangendo-nos de imediato.
Acerquei-me, paciente e compadecido, podendo ler no seu pensamento o
drama que experienciava e a dor imensa que a consumia.
Estava atendendo a senhora idosa enferma, quando a onda imensa
arrancou-lhe a casa do solo, levando-a de roldão com os coqueiros e outras
árvores de grande porte, despedaçando tudo à frente.
A morte de ambas foi imediata, e logo despertou agônica entre as ruínas do
que fora o lugar em que vivia. Não se apercebeu da situação, pois que, para
ela, o dia não raiara, ainda tomado pelas sombras decorrentes das vibrações
pesadas ambientais, entregando-se ao desespero em busca da anciã...
Fortemente ligada ao corpo, tentava sair do lugar sem o conseguir, em
desespero crescente.
Naquele momento, algo de belo sucedeu, porque na densa escuridão surgiu a
mãezinha liberada do corpo físico e, lúcida, assistida por nobre amigo desencarnado
que a conduzia, ajudando-a a acercar-se da filha alucinada. Vendo-nos em processo
de auxílio e esclarecida pelo seu mentor espiritual, sorriu, e tentou agradecer sem
palavras a nossa presença. Ato contínuo, abraçou a filha totalmente desequilibrada
e começou a cantar uma doce melodia que falava de esperança, de alegria e de
reencontro. A jovem espiritual acalmou-se, a pouco e pouco, enquanto era
embalada, logo adormecendo.
Foi então que oferecemos o nosso contributo para a técnica da libertação dos
despojes físicos, cujas últimas energias foram absorvidas pelo Espírito que se
recolheu no regaço maternal.
As doces vibrações da senhora e a sua destacada estatura espiritual irradiavamse,
invadindo o organismo perispirítico da filhinha, que foi conduzida a outra esfera
que não aquela à qual nos vinculávamos...
O trabalho prosseguia sem cessar.
Embora o Sol abençoasse a imensa área logo ao amanhecer, do nosso lado
continua vam as trevas densas e as aflições sem nome, aguardando o sublime

contributo da iluminação espiritual.

SOCORROS INESPERADOS

CAPITULO 8

O incidente inesperado colheu-nos de surpresa que, certamente, não o fora para
o nosso mentor, em razão da sua admirável faculdade premonitória. Investido de
uma tarefa de tal envergadura, somente a pouco e pouco, ia-se desvelando em
relação ao nosso grupo.
A informação sobre a solicitação dos Guias da Indonésia, pedindo auxílio
espiritual às comunidades do Além, também soou-nos de forma agradável e
iluminativa. Como realmente não existe o acaso, todos os labores edificantes
são pré-organizados, estudados com cuidado, examinadas as possibilidades
de êxito ou de fracasso, e quando começam, o plano avança com segurança e
metas bem definidas.
Realmente, recordava-me de quando soaram as cornetas em nossa Colônia,
naquela manhã de 26 de dezembro e todos nos recolhemos à oração, porque, de
imediato, o nosso serviço de comunicações informou-nos sobre a grande tragédia,
facultando-nos acompanhar os infaustos acontecimentos. Ignorava, porém, os
cuidados estabelecidos pelos Mentores e a solicitação de ajuda solidária no mundo
espiritual.
Comovido ante a sabedoria divina e o intercâmbio que existe em toda parte em
nome da solidariedade universal, pus-me a observar os Espíritos aflitos que se
deixaram cooptar pela palavra sábia do orientador, ansiando pela própria
renovação, e agora dependiam dos esforços do nosso grupo.
Dr. White fora tomar providências com organizações especializadas na
ajuda a esses arrependidos que se apresentavam assinalados por graves
enfermidades psíquicas e emocionais. Os corpos denotavam os sofrimentos
experienciados pelos contínuos anos de martírio e dependência dos verdugos
que os maltratavam, reduzindo-os à condição de escravos das suas paixões.
Agora, que começaram a mudar de atitude mental, começaram a perceber o
estado deplorável em que se encontravam, passando a sofrer os dardos
ultrizes das enfermidades que os haviam ceifado a existência física, assim
como as marcas profundas dos distúrbios ocasionados pela insânia que se
permitiam... Ademais, em razão do comportamento infeliz, cada perispírito
assinalava os sentimentos ultrizes antes vivenciados e agora exteriorizava-os
em forma de úlceras pútridas, deformações e amputações de membros, que se
encontravam envoltos em vibrações escuras de baixo teor.
Olhando-os, com misericórdia e carinho, constatávamos como somos o
fruto daquilo que cultivamos mentalmente.
Reunidos em uma faixa especial, a fim de que não se misturassem aos
demais que estavam despertando do torpor da desencarnação, choravam uns,
outros permaneciam hebetados, diversos apresentavam-se enlouquecidos,
formando uma hoste de desditosos que rebolcavam nas aflições inomináveis
que os mortificavam.
Bailavam na minha mente algumas interrogações a respeito do diálogo mantido
pelo Dr. White e a legião de agressivos. Ao primeiro ensejo, indaguei ao gentil
orientador:
— Tendo-se em mente que os indigitados irmãos que vieram agredir-nos
estavam estruturados na linguagem nacional, não entendendo outro idioma, como
foi possível travar-se o diálogo vigoroso que tivéramos ocasião de ouvir?
Sem demonstrar enfado, o querido amigo explicou-nos:
— Utilizei-me da onda mental sem a sua verbalização em palavras. Em face das
circunstâncias e do pensamento que a elaborava, os irmãos aflitos escutavam na
sua língua de comunicação habitual, por estarmos vibrando na mesma faixa de
pensamento. Por outro lado, os amigos do nosso grupo, por sua vez ouviam o
diálogo no idioma com o qual nos comunicamos, qual ocorre em nossos contatos
íntimos. Constituindo um grupo de Espíritos procedentes de países diferentes, a
nossa comunicação é mental, sem a necessidade da expressão oral, formulada nos
padrões de cada idioma.
"A linguagem do Universo é o pensamento que modula as expressões de
acordo com a captação de cada ouvinte. Essa tarefa de interpretação da
linguagem é característica do perispírito que armazena as matrizes
idiomáticas dos países por onde transitamos nas diversas existências
corporais. Mesmo quando estamos diante daqueles que procedem de regiões
pelas quais não passamos no percurso das reencarnações, a sua mente capta
a onda emitida e a decodifica. Tudo ocorre com automatismo e naturalidade,
sem que haja esforço de quem quer que seja. Nada obstante, quando ocorre
uma sintonia por idéias, interesses ou anelos, o fenômeno se torna mais
eficiente e mais rápido.
"Na discussão que travamos com o chefe da grei rebelde, usamos as
formulações da língua inglesa que eram captadas no indonésio, no português, no
filipino, portanto, igualmente pelo nosso grupo de cooperadores procedentes dos
países que se comunicam nesses idiomas."
Depois de uma breve pausa, concluiu:
"Imaginemos uma orquestração sinfônica que nos alcança os ouvidos
acompanhada por um coral que se expressa em determinado idioma, e constataremos
que registramos a música e as vozes, penetrando no seu conteúdo,
embora sem compreender as palavras que os cantores enunciam. O importante
são o conjunto melódico, a emoção que nos desperta, a alegria que nos
invade e o imenso bem-estar defluente do seu efeito musical."
O momento não permitia ampliação do diálogo, porque, naquele momento, havia
parado a regular distância um veículo do qual saltaram alguns lidadores do Bem que
se aproximaram, apresentando-se ao Dr. White.
Tratava-se da ajuda solicitada aos responsáveis pelo acolhimento e cuidados em
relação aos irmãos arrependidos que se haviam proposto renovação e
entendimento.
Diversos desses operários da caridade adentraram-se em nosso campo de
socorro e passaram a assistir os sofredores, conduzindo-os, um a um, ao transporte
que pairava no ar, a um metro, mais ou menos, acima do solo. Alguns se
movimentavam com dificuldade, embora a assistência recebida, logo sendo
acomodados, num total de oitenta...
O responsável pela condução agradeceu ao nosso mentor e, de imediato, a nave
decolou com velocidade, seguindo o roteiro estabelecido.
Sentia-me edificado ante a misericórdia divina que luz para todos, sempre ao
alcance de quem a deseja receber.
Ao meu lado, o amigo Ivon Costa considerou a sabedoria divina e a constituição
do amor vibrante em toda parte, como sua mais bela manifestação.
Menos de duas horas antes, aqueles irmãos recolhidos acreditavam-se
pertencentes ao submundo infeliz da erraticidade inferior, lutando contra as
leis soberanas, embora a elas submetidos, enquanto que, agora, rumavam na
direção da felicidade que haviam desdenhado por décadas de loucura e de
ignorância.
Simultaneamente, os irmãos recém-despertos pela nossa atividade,
encontravam-se em área próxima, sobre um gramado verdejante e podiam desfrutar
da claridade do dia que lhes chegava tênue, embora a sombra predominante
próxima dali...
Por sua vez, eram recambiados para a Colônia de refazimento, graças à
abnegação de inúmeros servidores polinésios, alguns procedentes de ilhas
remotas, que eram tidos como primitivos. Generosos e ingênuos, dedicavamse
ao socorro aos nossos irmãos vitimados com alegria infantil, entoando
algumas das canções sentimentais das terras que habitaram antes da
desencarnação... Vestidos com simplicidade e usando barretes coloridos, as
suas roupas davam-lhes uma beleza singela e harmoniosa.
Pequenos tremores ainda aconteciam sob as águas profundas do Oceano Indico,
sem que novos danos ocorressem na superfície.
Dr. White convidou-nos ao retorno à nossa sede, por algum tempo, e usando a
volitação com todo o grupo, chegamos à comunidade que se encontrava em
movimentação. Era mais um imenso hospital a céu aberto e com alguns pavilhões
onde eram recolhidos os pacientes mais agitados, do que um lugar de repouso. As
vibrações ambientais eram benéficas, proporcionando o refazimento emocional que
o desgaste natural na faixa em que estávamos laborando se fazia forte.
Dirigimo-nos, imediatamente, ao núcleo de acolhimento que nos fora reservado,
e após ouvirmos as recomendações do benfeitor, que nos recomendava quatro
horas de revigoramento, de prece e de reflexão, liberou-nos para o repouso
necessário.
Encontrava-me comovido ante as messes de misericórdia com que me sentia
agraciado.
Enquanto mourejava na Terra, abraçando a Doutrina dos Espíritos, tentava
compreender como seria a vida fora da vestimenta carnal, sem o conseguir em
plenitude. Por mais que a imaginação procurasse encontrar parâmetros para
facultar-me o entendimento, tudo quanto lograva conceber era muito pálido em
relação à realidade, na qual ora me encontrava.
E muito difícil estar-se mergulhado no mundo dos efeitos, tentando entender as
causas, qual acontece com o conteúdo de qualquer natureza, que procure imaginar
como será o continente que o guarda...
A constatação é de que somente há vida em toda parte, movimento e ação,
sendo a Terra uma pobre cópia daquele admirável mundo pulsante, permanente, de
onde nos originávamos.
Orei, então, em favor dos irmãos em processo de renovação, aqueles que
se haviam rebelado contra os divinos códigos e se encontravam de volta
como náufragos vencidos, mas sobrevivendo... Ao mesmo tempo, recordei-me
dos outros, aqueles que se fixavam pela mente e pela conduta às vestes
materiais que a morte ia consumindo e desejavam restaurar-lhes as funções,
tombando em estados de loucura e de desânimo.
Suave paz dominou-me, arrebatando-me pelo sono, facultando-me um sonho
feliz em região de beleza quase inimaginável.
Ali, tudo eram sons e harmonias. O vento, que perpassava pelo arvoredo, as
flores que desabrochavam emitindo musicalidade especial, as mais diversas
expressões da Natureza em festa sonora, aves de plumagem inigualável e os céus
infinitamente azuis, como se o zimbório fosse um grandioso recinto no qual se
movimentavam milhares de seres luminosos em atividade ordenada e quase
mágica, emocionavam-me...
Automaticamente acompanhei pequeno grupo que se dirigia a uma construção
ultra moderna de substância transparente como a dos atuais edifícios das grandes
cidades, porém, mais delicada, e adentramo-nos num recinto que parecia um templo
gótico onde se celebrava uma solenidade religiosa. Destituída de qualquer
simbolismo, a nave nua era revestida de vibrações sonoras e coloridas, filtradas por
imensos vitrais, que lhe davam uma beleza especial, singular.
As pessoas encontravam-se reunidas com júbilo na face, quando passa-mos a
escutar um ser angélico portador de grande beleza, que abordou um tema sobre a
solidariedade universal.
Ouvindo-o, embevecido, a musicalidade da sua voz penetrava-me o Es-pírito
mais pela emoção do que pelas palavras articuladas, que me pareciam um canto
sinfônico.
Seria muito difícil traduzir tudo quanto era exposto, porque o objetivo era
introjetar nos ouvintes os sentimentos de amor profundo, em vez das expressões
que se confundiam com a melodia ambiental.
Encontrava-me deslumbrado, quando suavemente retornei, despertando e
mantendo as impressões incomparáveis daqueles momentos de desdobra-mento e
visita a alguma região feliz a que ainda não tivera acesso por falta de méritos
compreensíveis.
Amanhecia em nossa comunidade e, com o coração pulsante de felicidade,

busquei os demais amigos para as novas tarefas.

DESAFIOS EXISTENCIAIS

CAPITULO 9

Embora de nossa comunidade pudéssemos desfrutar da luminosidade do Sol,
sobre a área imensa desolada pairava uma nuvem sombria, pesada, resultante da
angústia coletiva, do desespero que assolava os sobreviventes, da revolta que a
muitos tomava, enfim, dos transtornos psíquicos causados por aqueles que tiveram
a desencarnação violenta.
Podíamos ver as tempestades vibratórias que produziam raios e relâmpagos
ameaçadores sobre a imensa cortina quase negra que vestia a paisagem espiritual.
A condensação das energias mórbidas, à semelhança do que acontece na
atmosfera terrestre com o choque das temperaturas fazendo desencadear as
tormentas, os tornados, sucedia de maneira semelhante na imensa faixa
avassalada.
Certamente essa psicosfera perturbava os sobreviventes aflitos que mais
adensavam os cúmulos escuros e ameaçadores.
Tornava-se um círculo vicioso: as mentes emitindo ondas sombrias e absorvendo
os efeitos danosos que pairavam no ar...
A emoção de ternura e compaixão tomou-me e deixei-me arrastar pelas
blandícias da oração em favor daquela sociedade atormentada.
Chegou o momento de retornarmos aos labores. Todos nos encontrávamos
assinalados pelo bom humor, pela alegria que se deriva do serviço fraternal de amor
ao próximo, e nossa condução fez-se da mesma maneira como chegáramos sob o
comando do nosso Benfeitor.
Atingida a região do nosso destino, de imediato passamos ao programa de
assistência espiritual aos irmãos do carreiro da agonia.
Logo chamou-me a atenção um Espírito feminino que se encontrava sob
terrível dominação de outro, masculino, que se apresentava com aspecto
terrível e a explorava psiquicamente de maneira cruel.
Totalmente desvairada e presa aos vestígios carnais, a atormentada
debatia-se entre as sensações da decomposição cadavérica avançada e a
injunção penosa a que era submetida. Podíamos ver o algoz que a explorava
e-mocionalmente, levando-a a acessos contínuos de gritos, blasfêmias e
loucura.
Enquanto a contemplava presa ao corpo que tentava reerguer, talvez pensando
em fugir à situação penosa, acercou-se-nos uma anciã desencarnada que,
lacrimosa e aflita, pediu-nos ajuda, informando-nos ser-lhe a genitora.
Imediatamente, fez um sintético retrato biográfico da infeliz.
- Minha filhinha - começou entre lágrimas de resignação e débil voz - era
vendedora de ilusões. Tornou-se profissional aos catorze anos de idade,
quando foi consorciada, de acordo com os nossos costumes, com um homem de
aparência respeitável e de caráter vil, muito mais idoso do que ela. Os esponsais
foram ricos de alegria, porém, passados dois meses, ele a encaminhou a um
prostíbulo de luxo de sua propriedade, onde moçoilas inexperientes e sonhadoras
vendiam o corpo em volúpias de paixões.
Fez uma pausa, enxugando o pranto, e logo deu continuidade à narração:
- Minha menina foi estimulada à exploração carnal... Recebeu cuidados
adequados ao comércio de que iria participar, submeteu-se a uma cirurgia, a
fim de evitar a gravidez, e foi treinada em um tipo de dança muito especialmente
sedutora.
"Com o passar dos dias e meses tornou-se tão célebre, quanto cínica e
debochada, atraindo, à casa festiva, os aficionados da sensualidade atormentada.
Com o desgaste natural, resultante dos abusos e pela necessidade de vender-se
mais e sempre mais, derrapou para os infelizes comportamentos sexuais aberrantes
e, para tanto, passou a consumir drogas terríveis...
Visitada por mais de uma vez pela minha ternura, já que o seu pai morrera
pouco depois do desvario a que ela se entregava, desgostoso, em razão do
choque com a religião que professávamos, pois que somos muçulmanos
austeros, adverti-a sem cessar, não conseguindo a mínima consideração nem
respeito. Por fim, parecendo cansada dos meus conselhos, num momento de
desequilíbrio total expulsou-me do seu bordel de luxúria, sempre dirigida pelo
maldito explorador - o próprio marido!
Minha filha havia enlouquecido por uma doença que eu não conseguia
compreender. De um para outro momento, transformava-se, ficando tigrina e
agressiva, perigosa e má, comprazendo-se em atemorizar os servos e mesmo
alguns dos clientes, que lamentavam as suas freqüentes mudanças de
personalidade, o que os desconsertava no vil conúbio a que se entregavam.
Sem que ninguém soubesse o que ocorria, começou a emagrecer, a definhar,
como se fosse sugada nas suas energias por uma força estranha e
maléfica sempre cruel.
"As dores morais foram-me superiores às frágeis resistências, e não suportando
as angústias contínuas, em razão do imenso amor dedicado à mi-nha
menina, faleci vitimada por um ataque cardíaco..."
Silenciou, entristecida, olhando o Espírito querido, ainda vitimado pelo seu
algoz...
- Por favor, socorram-na - rogou, súplice, de mãos postas e quase ajoelhando-se,
no que foi impedida de imediato. Um ser demoníaco toma-a e desgraça-a desde
aqueles longes-pertos dias de aberrações.
Não havia dúvidas que a jovem dançarina atraíra terrível amante de outra
existência que se lhe vinculara psiquicamente enquanto no corpo físico, enciumado
da conduta que se permitia, passando a explorá-la nos conúbios sexuais de ocasião
e de perversão, usurpando-lhe as energias emocionais e, não poucas vezes,
tomando-a em surtos obsessivos terríveis...
Examinando o psiquismo do perseguidor, pudemos perceber-lhe os clichês
mentais das mais chocantes aberrações, a revolta pela morte que a dominara
durante o tsunami, assim ameaçando-lhe a exploração de energias. Tão
profundos eram os vínculos entre um e outro, perispírito a perispírito, que ele
se lhe imanava qual um molusco à concha que conduz, perversamente
ameaçando-a.
Aproximei-me da infeliz e apliquei-lhe energias balsâmicas e calmantes, levandoa
a um ligeiro torpor. Enquanto isso, a mãezinha orava as sutras do Corão,
dominada por emoção compreensível e acompanhando a nossa tera-pia.
Quando conseguimos que o Espírito adormecesse, demos início ao seu
deslindamento das vísceras orgânicas, o que conseguimos com o auxílio e a
bondade de Abdul que veio em nosso socorro. As duas entidades muito
ligadas, lembravam-nos um caso de xifopagia espiritual. O malfeitor bradava
em alucinação com medo de perder a presa que explorara por alguns anos,
enquanto Abdul falou-lhe com ternura e energia sobre o crime que perpetrava,
informando-lhe que a exploração infeliz chegara ao fim naquela oportunidade,
quando a morte os separaria e ele teria que enfrentar as conseqüências
nefastas da sua crueldade.
A conduta mais própria era adormecê-lo também, a fim de ser providenciado
recurso de libertação, quando ela pudesse contribuir com o pensamen-to e os
sentimentos renovados, porquanto a atração mantida era resultado do seu
comportamento que facilitara a perfeita identificação entre o plugue nos chakras
coronário e sexual e as tomadas do seu agressor...
As Divinas Leis jamais recorrem aos recursos de cobranças comuns às criaturas
humanas que se comprazem em fazer justiça mediante as concepções infelizes a
que se atem.
Ninguém pode permitir-se o luxo desditoso de recuperar débitos morais e
espirituais, colocando-se em posição de vítima, que nunca existe, porquanto, se tal
houvesse, deparar-nos-íamos com lamentáveis falhas dos códigos da justiça divina.
Mecanismos próprios de reparação fazem parte das legislações superiores da
vida, que jamais falham. Nada obstante, o orgulho e a intemperança daqueles que
se consideram prejudicados, logo tomam posições de justiceiros e encarceram-se
nas redes fortes dos crimes desconhecidos pela sociedade, porém jamais ignorados
pela realidade que sempre terão que enfrentar...
Quando a mãezinha percebeu que a filhinha dormia relativamente em paz,
embora alguns estertores naturais, como resultado inevitável das construções
mentais arquivadas no inconsciente e as emanações morbíficas do adversário que
se mantinha vinculado, sorriu feliz e tentou abraçá-la.
Tratava-se, para mim, de um caso muito especial, porquanto era a primeira vez
que observava o fenômeno da obsessão que se iniciara durante a vilegiatura carnal,
prosseguindo além da morte, sem nenhuma alteração por parte do perseguidor
inclemente. Nessas ocorrências lamentáveis, o algoz também sofria as
contingências experimentadas pela sua vítima, em torno do processo de
desencarnação. Explorada pelo vingador, ela o intoxicava, embora
inconscientemente, com as emanações de desespero e de perda do tônus vital
(animal), da conjuntura física, que era absorvido pelo inimigo.
Abdul providenciou uma padiola, e amigos cooperadores para o trans-porte de
ambos os Espíritos ao lugar próprio que lhes estava destinado, considerando-se a
especificidade da ocorrência.
Emocionada pela felicidade que fruía, a genitora expressou-nos os seus
sentimentos de gratidão, inopinadamente osculando nossas mãos, o que muito nos
constrangeu, considerando-se que o mais beneficiado éramos nós próprio.
A obsessão sempre apresenta angulações que nos surpreendem, em razão das
organizações mentais e espirituais de cada criatura, variando, portanto, de indivíduo
para indivíduo.
A observação desse fenômeno perturbador sempre nos convida a acuradas
reflexões em torno da conduta interior do ser humano, que sempre procede do
campo mental, a irradiar-se em todas as direções, produzindo sintonias compatíveis
com a sua equivalência com outros campos e áreas vibratórios que propiciam as
vinculações por afinidade.
Quando as criaturas compreenderem que são as responsáveis por tudo
quanto lhes diz respeito, certamente serão alterados os comportamentos
individuais e coletivos, elegendo-se aquilo que conduz à harmonia e à
felicidade, mesmo que a esforço, ao invés do prazer desgastante de um
momento com as suas conseqüências perturbadoras de longo prazo. Na sua
ilusão orgânica, porém, preferem a intoxicação do gozo doentio até a
exaustão, sem qualquer responsabilidade, agasalhando as idéias absurdas de
encontrar-se soluções miraculosas quando se lhes manifestam as
conseqüências afugentes, que são inevitáveis.
Não é de estranhar-se a grande mole que recorre ao Espiritismo, à mediunidade,
procurando solução milagrosa para os problemas que engendraram e pretendem
ver resolvidos, assim mesmo sem a sua contribuição sacrificial.
A existência no corpo físico é uma oportunidade de aprendizagem que a vida
concede ao ser espiritual no seu processo de crescimento interior, facultando-lhe os
recursos apropriados para que a divina chama que existe em todos alcance a
plenitude. De acordo com a maneira como cada um se comporte no mister, estará
semeando as ocorrências do futuro, que terá de enfrentar, a fim de recompor-se e
corrigir o que foi danificado.
Cada reencarnação é sublime concessão divina para a construção ditosa da
imortalidade pessoal.
Escola abençoada, a Terra é o reduto formoso no qual todos nos aperfeiçoamos,
retirando a ganga pesada do primarismo, que impede o brilho do diamante estelar
do Espírito que somos. Os golpes do processo evolutivo encarregam-se de liberarnos,
permitindo que as facetas lapidadas pela dor e buriladas pelo amor reflitam as
belezas siderais.
Onde nos encontrávamos, podíamos notar as diferenças de conduta entre os
aflitos, assinalando maior soma de desespero ou de equilíbrio, que nos
proporcionava auxiliá-los com maior ou menor eficiência. Nem todos, porém, aos
quais buscávamos socorrer, conseguiam ser liberados, tão fortes se lhes faziam os
laços da sensualidade da vida orgânica distante de qualquer espécie de crença na
sobrevivência do Espírito.
Não foi possível divagar mentalmente por mais tempo, porque o nobre dirigente
chamou-nos ao serviço, considerando que novas desencarnações continuavam
ocorrendo e os assaltos por Entidades animalizadas se faziam de contínuo.
A visão das ocorrências post mortem surpreendem mesmo aqueles que, à nossa
semelhança, se encontram na Erraticidade há expressivo número de anos.
A vida física disfarça pela aparência o Espírito que habilmente se mas-cara,
procurando demonstrar o que gostaria de ser, mas tudo fazem para não se
transformar interiormente para melhor. No entanto, a realidade que o caracteriza,
desmistifica-o durante o processo da desencarnação, ocorrendo conforme cada um
é e de acordo com as suas possibilidades de recuperação e reequilíbrio.
As paisagens, portanto, próximas à fronteira do túmulo, são, normalmente,
afugentes, exceção daquelas que acolhem os Espíritos que se esforçaram
para viver de acordo com os padrões do dever, do respeito ao próximo e à
vida, mesmo que sem qualquer filiação religiosa. O importante é a conduta
que se vivência e não a crença que se esposa. Nada obstante, a religião,
quando liberta da ignorância, destituída de fantasias e de superstições,
caracterizando-se pela lógica e pela razão, é via sublime de acesso à liberdade
plena, pelo que proporciona de lucidez e esclarecimento, auxiliando o viajor a
melhor contribuir em favor do próprio êxito na jornada imortalista.
Não havia, porém, tempo para mais amplas reflexões e, ao chamado pa-ra o

trabalho, dispusemo-nos alegremente ao serviço estabelecido.

APRENDIZAGEM CONSTANTE

CAPITULO 11

Mergulhada na psicosfera densa das aflições humanas, a região em que
operávamos permanecia terrificante. Embora o dia estuasse de luz e o céu azul
turqueza, sem nuvens, estivesse deslumbrante em razão da claridade do Sol, a
presença da tragédia colossal estava dominadora na paisagem de destroços.
Parecia uma área de guerra, que sofrerá pesada artilharia acompanhada pela
destruição da força aérea.
Na praia imensa, antes paradisíaca, as árvores despedaçadas balouçavam sobre
as ondas tranqüilas, ao tempo que se acumulavam nas areias e na vastíssima
região atingida pela destruição da fúria do tsunami...
As pessoas revolviam os montes de entulho, tentando encontrar os cadáveres
dos desaparecidos, agindo como dementados sem rumo..
Numa das barracas de emergência hospitalar, a movimentação de Espíritos
encarnados e desencarnados era muito grande.
Encontrava-me em observação, quando veio até o nosso mentor uma senhora
desencarnada com traços do norte da Europa, remanescente da sua última jornada
terrestre, pedir ajuda.
Sintetizou a rogativa, informando que o neto, jovem de vinte e cinco a-nos,
visitava a região com freqüência, acompanhado de amigos do seu país, para
desfrutarem das regalias do prazer que ali eram concedidas em larga escala
aos seus visitantes.
Portador de caráter vil, usuário de drogas químicas, atraía as jovens inexperientes
e sonhadoras locais, pelo porte atlético e pela habilidade no
surfe que se destacava no meio de todos...
Em razão desses requisitos tornara-se um conquistador insensível, que se
comprazia em corromper as vítimas, empurrando-as para a drogadição e o
comércio carnal.
Financiava a viagem de algumas interessadas em aventuras e comercializava-
as com organizações mafiosas que as transformavam em escravas do
sexo no seu e noutros países por onde circulava. Logo, porém, as moças
ludibriadas chegavam às cidades nórdicas da Europa, tomavam-lhes os
passaportes e explicavam-lhes que teriam que pagar o empréstimo das
passagens e de tudo quanto a partir dali lhes fosse oferecido.
O tipo exótico das moças, quase adolescentes, em relação aos padrões
europeus, na maioria fascinava a clientela viciada, e quando se davam conta
era demasiado tarde para qualquer providência salvadora...
Já se lhe tornara habitual a conduta infame em que se comprazia, mas era
seu neto, o infeliz, por quem rogava socorro.
A avozinha, pois era o Espírito que pedia ajuda, tentara inspirá-lo a mudança
de comportamento, mantivera reiterados encontros na esfera dos sonhos,
não logrando qualquer resultado saudável.
Comovendo-se, silenciou ante o benfeitor atento e completou:
— Estou informado por Espíritos generosos do labor que o nobre amigo
vem realizando com a sua equipe, e, embora se trate de um caso especial,
suplico a ajuda possível.
"Ele encontrava-se no Hotel X, à hora do sismo, e foi arrebatado pela onda
gigante que o carregou com o edifício em desmoronamento. Ficara quase
soterrado no entulho, e só agora, vários dias após, fora encontrado ainda com
vida e conduzido à emergência naquele improvisado hospital erguido por
estrangeiros.
Dr. Charles convocou-nos a nós, a mim e ao Oscar, para que o acompanhássemos,
enquanto os demais prosseguiriam no afã estabelecido.
Quando chegamos ao centro cirúrgico, observamos os muitos atendidos em
estado grave.
Colocado no aparelho para os estudos computadorizados, os médicos
concluíram pela delicadeza do seu quadro. Encontrava-se em coma, com uma vasta
área cerebral comprometida pelos traumas cranianos sofridos, pelos golpes do
desmoronamento da construção e pelo choque do paredão de água.
Dr. Charles observou-o, e explicou à anciã;
- Nosso jovem encontra-se muito gravemente afetado sem a menor possibilidade
de recuperação. Os largos dias em que esteve sem assistência de
qualquer natureza comprometeram-lhe outros órgãos e a bomba cardíaca
destrambelhou-se sob o esforço exaustivo, tendo ocorrido, nesse período, duas
paradas que mais comprometeram o cérebro em razão da anóxia decorrente...
- O mais grave — acentuou - é a sua condição espiritual... Vimos o Espírito
ainda preso ao corpo debatendo-se nas mãos fortes de dois adversários
cruéis que o ciliciavam com vergastadas, ao tempo em que o ódio que
exteriorizavam era absorvido pelo organismo da vítima, especialmente por
inter-médio dos chakras cerebral, solar e cardíaco, afetando-lhe o debilitado
coração.
Um deles, cujo semblante era uma caraça demoníaca, ameaçava:
- Morrerás, infame! Nós te queremos aqui, quanto antes, para punir-te pelo
mal que fizeste às nossas filhas. Como podes destruí-las no comércio da
carne, utilizando-te da sua ignorância, para que fruas prazeres insaciáveis, na
tua doença moral!? Nunca te perdoaremos por invadires nossos lares e
desgraçares aquelas a quem amamos. Se houver justiça divina, nós seremos
os seus intermediários e a aplicaremos conforme o fazes com as tuas
vítimas...
Estrondosas gargalhadas de loucura faziam-se acompanhar a cada
acusação.
O outro estertorava, à medida que também o acusava:
- Estrangeiro maldito, abutre infeliz que degradas todos aqueles que
passam pelo teu caminho de misérias! Porque somos pobres, pensas,
cinicamente, que podes corromper as nossas meninas, levando-as para a
escravidão nas tuas terras? Pagarás os crimes, como nunca poderias
imaginar, porque dispomos de outro poder que não tens, miserável!
... E contínuas exprobrações eram enunciadas entre dentes rilhados e mãos
agitadas em atitude agressiva.
Outros também apresentavam queixas acusatórias, cercando o desditoso
com as suas faces transtornadas, o que lhe produzia infinito pavor, levando-o
a debater-se em pranto e contínuos desfalecimentos.
Surpreso, olhei o mentor, que me explicou:
- Nossos irmãos estão tentando matá-lo, isto é, procuram impedir que se
assenhoreie do corpo, intoxicando com as vibrações do ódio o órgão cardíaco
até o mesmo cessar de pulsar... No seu estado atual de fraqueza não suportará
por mais tempo a ingestão dos fluidos venenosos eliminados pelos
adversários, e que vem absorvendo, piorando o estado ao somar-se aos
demais fatores de desequilíbrio...
Depois de ligeira reflexão silenciosa, acentuou:
— Ele necessita, porém, de sobreviver...
Não deu mais explicações, exceto, informando:
— Sem que recupere a lucidez, terá uma longa existência vegetativa de
reparação.
Ato contínuo, acercou-se dos litigantes, condensando o perispírito, até permitir-se
ser percebido pelos algozes, e pôs-se, serenamente, a dialogar com os mesmos.
— Reconheço - afirmou com tonalidade bondosa na voz - a justeza das vossas
argumentações em referência ao paciente. No entanto, a aplicação da justiça
compete a Deus, que conhece em profundidade cada um de nós. Jamais
saberemos como corrigir alguém, quando dominados pelo ódio e desejosos de
vingança... Nosso jovem é leviano, vem cometendo crimes hediondos, sem dúvida.
Arrebatá-lo pela morte, não será igualmente um crime perverso e sem
justificativa, porque o mal, de maneira alguma, se insere no contexto da vida?!...
"Considerando-se, portanto, a circunstância, a vossa disposição de
discipliná-lo, de retê-lo no Além-túmulo, a fim de apressardes a sua punição,
violenta as Leis Soberanas, porque ninguém tem o direito de tomar nas mãos
a clava da justiça..."
Furibundos, ambos reagiram, enquanto outros, agitados, entregavam-se à
gritaria, tentando gerar perturbação.
- Não necessitamos de juiz estrangeiro - revidou um deles —. Conhece-mos
as nossas leis e, por elas, pelo Alcorão, assim como através da Xariá sabemos
como conduzir-nos, aplicando as chibatadas correspondentes ao crime, e são
vários os crimes de desonra e degradação de vidas por ele co-metidos,
portanto, na Terra, punidos com a pena de morte, o que estende-mos até
aqui... Agradecemos a interferência de cristãos em nossas decisões,
permitindo-nos continuar com os nossos propósitos, porquanto estamos dentro
da Lei...
- Isso poderia parecer correto - alvitrou o benfeitor resoluto -. Nada obstante,
o Alcorão também fala de misericórdia, e que somente Allah é justo,
benevolente e sábio, podendo perdoar os mais perversos infratores... Maomé
reconhece a grandeza de Jesus e da Sua doutrina, portanto, a verdade tem
caráter universal e, no caso em tela, não importa que a interferência seja por
intermédio de muçulmano ou de cristãos, mas que esteja baseada nos sentimentos
de misericórdia e de amor, ambos de caráter divino, portanto, inderrogáveis...
"- Não nos interessa a sua colaboração, mas sim a concretização dos nossos
objetivos, que são inamovíveis.
"— Compreendemos, perfeitamente, a vossa dor, assim como a de outros
tantos... Ei-la campeando em toda parte nestes tormentosos dias que enfrentamos.
Somente a sabedoria divina conhece as razões para tudo quanto vem sucedendo
desde o momento do infausto acontecimento sísmico...
Comove-nos o sentimento de solidariedade dos países de diferentes partes do
mundo aqui presentes, contribuindo em favor das vítimas da ocorrência terrível.
Nenhuma preocupação com a crença, a moral, a conduta dos que se encontram em
aflição. Há, em todos, o saudável desejo de ajudar, de demonstrar amor e respeito
pelo sofrimento do próximo.
A mesma atitude solidária estabelece-se além das formas físicas sob a égide do
Amor.
"Desde que estais insensíveis à compaixão, apelamos para a misericórdia de que
todos necessitamos diante de Deus. Por acaso, considerai-vos isentos de erros,
atravessastes a caminhada terrestre sem haverdes contraído dívidas ou gravames
ante as situações penosas de outros?
"Desse modo, fazei com o perturbador da vossa paz, conforme gostaríeis que
fizessem em relação a vós outros, caso estivésseis no seu lugar."
A palavra era repassada de imensa compaixão e ternura, envolvendo em
dúlcidas vibrações de harmonia os agressores, que ficaram algo aturdidos
momentaneamente, logo retornando ao ataque.
- Ofereci-vos a bênção da caridade para com o criminoso e reagis - vol-tou a
afirmar o mentor - agora vejo-me na contingência de apelar para ou-tros recursos de
que podemos dispor em situações como esta...
Silenciando, pôs-se a orar em profunda concentração, no que o acompanhamos
de bom grado.
Suavemente uma claridade os envolveu, e Ana, que continuava com o archote na
mão direita erguida, depô-lo no solo, e acercando-se de ambos dentro da luz
superior, abraçou-os com bondade, enquanto o médico desligava o Espírito
submetido à pressão dos adversários.
Subitamente, os dois adversários foram dominados por estranho torpor, e
amparados pela enfermeira espiritual, foram colocados no solo, a fim de serem
transferidos por generosos auxiliares convocados mentalmente pelo Dr. Charles
que, então, aplicou energias saudáveis no enfermo em estado comatoso.
Vimos o encaixar do Espírito no corpo, e logo depois um estertor sacu-diu-o todo,
transformando-se em uma convulsão...
- Ele sobreviverá... - informou o médico sábio - Receberá os recursos hábeis e,
em breve, poderá ser transferido para o lar, onde experimentará a longa trajetória da
recuperação moral...
A nobre senhora desencarnada, muito comovida agradeceu ao esculápio
espiritual e abraçou o neto querido.
Quando retornávamos para os labores sob nossa responsabilidade, e porque me
parecesse oportuno, pedi-lhe licença, e interroguei-o:
- Pelo que depreendo, os adversários espirituais tramavam-lhe a desencarnação,
não é verdade?
Sempre bondoso e atento, o orientador respondeu-me:
- Podemos chamar essa agressão como uma tentativa de homicídio espiritual.
- Isso ocorre com freqüência? - interroguei-o, surpreso.
- Sim - esclareceu - com mais freqüência do que se imagina. .. Nunca devemos
esquecer-nos que este é o campo das causas, o mundo espiritual, onde se originam
as ações e feitos que se materializam na Terra. Fonte de sublimes inspirações,
também origina reações devastadoras, quando os seus autores se encontram nas
faixas primárias da evolução. Em colônias de dor e de sombra, mentes perversas
elaboram programações desditosas que inspiram aos deambulantes carnais,
insensibilizando-os e auxiliando-os nas suas desvairadas aplicações.
Em parceria psíquica, hipnotizam aqueles com os quais conviveram na esfera
espiritual, esses desalmados perseguidores do Bem, e utilizam-nos com uma frieza
que nos choca, procedente, desse modo, das suas construções mentais
devastadoras.
Detido o Espírito encarnado nas malhas vibratórias dos seus desafetos, em razão
dos comprometimentos morais para com eles, torna-se sujeito à sua injunção
infame, experimentando dores acerbas que podem provocar no corpo desastres
orgânicos. A mente é portadora das energias que se movimentam através da
aparelhagem carnal, e quando são deletérias produzem efeitos compatíveis. Da
mesma forma que uma emoção forte, em estado de vigília danifica o organismo e
provoca distúrbios muito graves na maquina-ria fisiológica, aquelas que têm lugar
durante o parcial desprendimento pelo sono, pelo coma ou situações equivalentes,
repercutem nas células, danificando-as ou harmonizando-as se defluem das alegrias
e bênçãos que se vivenciem.
Tudo quanto ocorre no soma procede da psique, portanto, do Espírito, que é o
condutor do carro material.
Nossos irmãos, embora vinculados à doutrina muçulmana, conhecem a realidade
da vida após a morte e comportam-se qual ocorre também com incontáveis cristãos
desencarnados e inumeráveis cidadãos comuns crentes ou não na imortalidade.
Não são poucos aqueles que se aperfeiçoam em comportamentos perniciosos
antes da reencarnação, a fim de poderem dar-lhes expansão durante a jornada
orgânica.
A realidade é a mesma, variando as formas de exteriorização, assim facultando
que todos estejamos envolvidos pelas suas poderosas manifestações.
"Mais uma razão para que sejam divulgados os conteúdos imortalistas a todas as
criaturas, para melhor poderem conduzir-se enquanto vige o período da
reencarnação. O conhecimento da verdade é libertador, porquanto se insculpe no
pensamento e nas ações, orientando o ser no seu desenvolvimento iluminativo."
Nesse ínterim, chegamos à nossa área de atividades habituais e prosseguimos
no atendimento aos irmãos desesperados, que a morte surpreendera sem aviso
prévio, e que, mergulhados no fascínio do corpo, nunca se deram permissão para

reflexionar em torno da inevitável presença da morte.



Fonte: Carlos Eduardo Cennerelli


Calendário Assistência 2017

TENDA ESPÍRITA MAMÃE OXUM

CALENDÁRIO ASSISTÊNCIA - 2017.

C.E. Miguel Arcanjo e Tenda Espirita Mamãe Oxum-

Rua Francisco Framback, 91 E – Cascatinha - Petrópolis - RJ

ABRIL

MAIO

JUNHO

23 – Reabertura do Terreiro às 20h – Saudação à Ogum

02 – sexta-feira – Pretos Velhos

28 - sexta-feira - Exus

05 - sexta-feira – Pretos Velhos

07 – quarta-feira – Estudo da Umbanda

10 - quarta-feira- Estudo da Umbanda

09 – sexta-feira – Saúde

12 - sexta-feira – Saúde

13 – terça-feira – Saudação Aos Exus – Bênção dos Pães – 20h

13 – sábado – Saudação aos Pretos Velhos

16 – sexta-feira – Não tem Gira

17 – quarta-feira – Doutrina - Vovó Catarina

21 – quart-feira – Doutrina – Vovó Catarina

19 – sexta-feira – Caboclos

23 – sexta-feira – Caboclos

24 – quarta-feira –Saudação à Sta. Sara,

e Povo Cigano

28 – quarta-feira – Doutrina

26 – sexta-feira - Malandros

30 – sexta-feira - Exus

JULHO

AGOSTO

SETEMBRO

05 – quarta-feira – Doutrina

02 – quarta-feira – Estudo da Umbanda

01 – sexta-feira – Pretos Velhos

07 – sexta-feira – Pretos Velhos

04 – sexta-feira – Pretos Velhos

06 – quarta-feira – Estudo da Umbanda

12 – quarta-feira – Estudo da Umbanda

09 – quarta-feira – Doutrina

08 – sexta-feira – Saúde

14 – sexta-feira – Saúde

11 – sexta-feira – Saúde

13 – quarta-feira – Doutrina

19 – quarta-feira – Doutrina – Vovó Catarina

16 – quarta-feira – Saudação à Obaluaê e Omolu

15 – sexta-feira – Caboclos

21 – sexta-feira – Caboclos

18 – sexta-feira – Caboclos

20 - quarta-feira – Doutrina – Vovó Catarina

28 – sexta-feira - Exus

23 – quarta-feira – Doutrina – Vovó Catarina

22 – sexta-feira – Não Tem Gira

25 – sexta-feira – Malandros

24 – Domingo – Saudação à Ibeijada - às 17h

30 – quarta-feira – Doutrina ou Palestra

27 – quarta-feira – Distribuição Doces

29 – sexta - Exus

OUTUBRO

NOVEMBRO

DEZEMBRO

.04 – quarta-feira – Estudo da Umbanda

01 – quarta-feira – Terreiro Fechado

02 - Confraternização

06 – sexta-feira – Pretos Velhos

03 – sexta-feira – Não tem Gira

08 – sexta-feira – Saudação à Oxum e bênção dos Pretos Velhos – 20h

11 – quarta-feira - Não tem Doutrina

08 – quarta-feira – Estudo da Umbanda

09 – Oferendas na Praia – saída 17h

12 – quinta-feira – Cachoeira / Mata

10 - sexta-feira – Saúde

13 – sexta-feira – Não tem Gira

15 – Feriado – Saudação aos Malandros

18 – quarta-feira – Doutrina – Vovó Catarina

17 – sexta-feira – Caboclos

20 – sexta-feira – Caboclos

22 – quarta-feira – Doutrina

25 – quarta-feira – Doutrina – Doutrina ou Palestra

24 – sexta-feira – Exus

27 – sexta-feira - Ciganos

29 – quarta-feira – Doutrina – Vovó Catarina

A giras de sextas-feiras têm início às 20 horas. As fichas são distribuídas a partir de 19:45 até as 21:30. As pessoas que chegarem após este horário receberão apenas o passe, sem consulta.

Nossa casa não cobra consultas nem trabalhos, porém aceitamos colaboração de materiais de uso como velas, fósforos, charutos, fumos, etc...

ATENÇÃO: NÃO É PERMITIDO PARA ATENDIMENTO, PESSOAS COM MINI-SAIAS, SHORTS OU BERMUDAS CURTAS, BLUSAS MUITO DECOTADAS OU MINI-BLUSAS, CAMISETAS TIPO MACHÃO.

A CARIDADE NÃO SERÁ NEGADA, PORÉM RESPEITEM O TEMPLO RELIGIOSO.

(Baixe o seu calendário em PDF, clicando aqui)

Printfriendly