Natal se aproximando

quarta-feira, setembro 10, 2014

Perturbações Espirituais no Lar




Muita gente se queixa de que, periodicamente, o lar vira um pandemônio. Muita gente afirma que, às vezes, percebe que a família está em polvorosa, que alguma força negativa parece ter penetrado o lar. Imaginam que houve trabalhos de magia, alguém fez algum trabalho forte, todo esse contexto popular em que nós queremos atribuir aos outros questões que estão sob nossa responsabilidade.
Manter a nossa casa em paz, manter o nosso lar em ordem é alguma coisa de nossa alçada. É alguma coisa que está sob nossa responsabilidade, sob nossa custódia.
No entanto, é válido pensar que, pelo fato de se reunirem dentro de casa criaturas com os mais variados pendores, caracteres, temperamentos, muitas vezes a família sofre mareios afetivos, emocionais, sentimentais, que redundam, de fato, em perturbações de ordem espiritual.
Dentro de casa existem aqueles cujo temperamento leva-os a debochar dos outros, a condenar sempre, jamais elogiar, apenas vêem defeitos.
Há aqueles que falam aos gritos, os que são sempre grosseiros ao se expressar junto aos familiares. Há aqueles que têm sempre um alfinete pronto para as alfinetadas comuns dentro de casa.Os que falam jogando piadas, com segundas intenções, e ferem o temperamento daquele que é mais sensível ou que é pavio curto. E há aqueles que, dentro de casa, nem pavio têm, explodem por qualquer coisa.
Natural é pensar, nessas ocasiões, que nós estaremos dando margem a infiltrações espirituais inferiores. Como nos disse o Apóstolo Paulo, estamos o tempo todo sendo observados por uma nuvem de testemunhas.
Mas, se temos testemunhas apostando em nosso crescimento, em nossa virtude, em nossa felicidade, não podemos descrer que haja outras testemunhas investindo em nossa queda.
São aqueles inimigos do nosso pretérito, de nossas vidas passadas, de nossa existência presente. Eles estão sempre à espreita de nossa fragilidade, de um gesto em falso, de uma vivência incorreta, para que possam nos provocar mal-estares, aturdimentos, desarmonias, com o prazer patológico de nos ver sofrer.
Acontece que essas circunstâncias são quase sempre criadas por nós. Na liberdade que temos de fazer e de deixar de fazer, somos aqueles que não refreamos a língua, imaginando que todos os que vivem dentro de casa conosco, na família, têm obrigação de aturar, de suportar nosso temperamento, nosso mau humor, nosso caráter intempestivo, nosso pavio curto.
E, ao pensarmos dessa forma, estamos desrespeitando, ainda que dentro de casa, os outros que, embora nos gostem, nos estimem, são pessoas diferentes de nós.
Será sempre importante que nos coloquemos no lugar dessas pessoas. Essa empatia se faz indispensável. Se eu estivesse no lugar dessa criatura, de minha mulher, de meu marido, de meu filho, de meu irmão, de minha tia, ou avó, como é que eu gostaria de ser tratado dentro de casa? Que tipo de coisas eu gostaria de ouvir? Que tipo de outras coisas eu não gostaria de ouvir?
Desse modo, a vivência dentro do lar seria marcada pelo respeito recíproco, em que cada qual, desempenhando seu papel, estivesse atento a não ferir o outro, a não desabonar o outro, nada obstante tivéssemos todo o espaço para dizer as coisas que estão certas, aquilo que está equivocado, o que precisa ser corrigido, na pauta de nossa vida cotidiana, dentro de casa.
Como estamos cercados, vale repetir Paulo, por uma nuvem de testemunhas, quando nos despautamos dentro do lar, qual é o tipo de testemunhas que convidamos para participar conosco da vida íntima da casa? As entidades perturbadoras, Espíritos desajustados ou enfermiços, aqueles que, de caso pensado, desejam provocar, em nossas vidas, desestruturações e aqueles que estão enfermados, hebetados, aturdidos e que nem têm idéia de que, se aproximando de nós, nos estarão prejudicando.
Estão inconscientes da realidade em que estão vivendo mas, nem por isso, eles deixam de ser atraídos por nós quando realizamos as coisas indevidas.
Por isso pode haver sim, influências espirituais bastante nefastas dentro de nossa casa, ou influências leves em função do estilo de vida que adotemos viver em família, em razão de tudo aquilo que decidimos fazer junto aos nossos familiares.
Se a nossa proposta for de viver o respeito, o amor, a harmonia, certamente atrairemos nobres Espíritos para bafejar nosso lar, mas se fizermos diferente,certamente, as nossas companhias não serão nada agradáveis.
* * *
Todas as influências que venhamos a sofrer em nossa residência, em nossa casa, não temos que pensar primeiramente que alguém nos desfechou pensamentos negativos, que alguém está fazendo trabalhos contra nós, trabalhos de magia porque o que manda, na nossa casa, é a nossa vivência.
Todos aqueles que participamos da família somos alvejados pelos pensamentos, pelas energias, pelos fluidos, pelas luzes ou pelas sombras a que tenhamos dado abertura.
Se estivermos vivendo com Deus na honestidade, na dignidade, no respeito recíproco, qual é o mal que nos vai atingir? Qual é a sombra que nos vai visitar?
Mas, quando estivermos nessa hibridização, como diz o ditado popular: Acendendo uma vela para Deus e outra para o demônio, obviamente não somos fiéis à idéia nenhuma. Estaremos sempre no campo do quem dá mais, e por causa disso, ficamos vulneráveis a acompanhamentos nocivos.
É muito importante que prestemos atenção num ditado popular muito antigo que assevera: Dize-me com quem andas e te direi quem és. Naturalmente, quando estamos lidando com as questões espirituais, a proposta é diferente, os Espíritos nos dizem: Dize-me quem és e te direi com quem andas.
É a partir da nossa forma de ser, é a partir do nosso modo de viver, do pensamento que cultivamos, das ações que praticamos, que elegemos os nossos acompanhamentos espirituais. Poderemos estar muito bem acompanhados, em termos psíquicos, mas poderemos estar muito mal resguardados.
Daí, vale a pena a família ter esse cuidado na sua convivência. Ninguém vai imaginar que, dentro de casa, não teremos altercações, alguma indisposição, alguém que fale de uma forma mais ríspida, mais áspera com o outro e o outro se debulhe a chorar. Isso tudo faz parte da normalidade da vida doméstica cotidiana.
Mas, o que não deve acontecer é que essa postura de agressividade, essa postura ferinte, pessimista, negativa, se torne uma constante na relação familiar. Quando isso se tornar uma constante, não podemos ter dúvida de que estaremos mal assistidos. Criaturas espirituais de má índole, ou ignorantes ou inconscientes, estarão procurando fazer ninho na nossa consciência.
Sentir-nos-emos lesados, traídos, amargurados, desprezados em casa, nos sentiremos a sós, nos veremos pessoas solitárias. E tudo isso, agasalhado por nós, nessa baixa auto-estima, vai fazendo com que entidades desencarnadas de má índole, infelizes em si mesmas, se apropriem desse caldo de cultura que nós lhes oferecemos, para fazer toda sorte de estripulias, para provocar toda sorte de males, de infestações negativas no seio da nossa família.
Será de bom alvitre instalar em nossa casa, pelo menos uma vez por semana, o hábito de orar. O Evangelho no lar, como chamamos, ou Jesus no lar, como quisermos.
Cinco minutos ou dez minutos, quinze minutos, para lermos uma página do bem, uma página do Evangelho, uma página bíblica, ou de um livro nobre que tenhamos à mão.
Ler, comentar, verificar onde é que aquelas lições servem à nossa vida doméstica, à vida da família, e à nossa vida individual. Depois, fazer a nossa oração, agradecendo a Deus pela nossa família, pela nossa convivência, pela nossa harmonização. E pedir a Esse Sempiterno, a Esse Pai de amor e de bondade, a força de que necessitamos, como membros de um clã, de um grupo doméstico, de uma família, para resistirmos a todas as tentações que nos vão encontrar pelos caminhos.
Basta que saiamos às ruas, para que tenhamos todo tipo de dificuldades e de facilidades. No trânsito, no comércio, na travessia da rua, nas relações sociais, todos esses movimentos que realizamos no dia a dia nosso, nos darão ensejo de fazer o melhor, de nos ajustarmos a boas companhias, a más companhias.
E, trabalhando dessa forma, vamos afugentando as influências negativas, ou melhor, vamos nos afastando das influências nefastas, ou melhor ainda, vamos nos vacinando contra essas ondas negativas que, periodicamente, invadem nosso lar e desestruturam nossa família.
É por causa disso que pensamos no quanto será importante para nós a oração em família, nas bênçãos do lar.
Transcrição do Programa Vida e Valores, de número 116, apresentado por Raul Teixeira, sob coordenação da Federação Espírita do Paraná. Programa gravado em outubro de 2007. Exibido pela NET, Canal 20, Curitiba, no dia 17.08.2008.

 

Fonte: Espiritismo Santanalivramento Rivera
 
 



Nenhum comentário:

Calendário Assistência 2017

TENDA ESPÍRITA MAMÃE OXUM

CALENDÁRIO ASSISTÊNCIA - 2017.

C.E. Miguel Arcanjo e Tenda Espirita Mamãe Oxum-

Rua Francisco Framback, 91 E – Cascatinha - Petrópolis - RJ

ABRIL

MAIO

JUNHO

23 – Reabertura do Terreiro às 20h – Saudação à Ogum

02 – sexta-feira – Pretos Velhos

28 - sexta-feira - Exus

05 - sexta-feira – Pretos Velhos

07 – quarta-feira – Estudo da Umbanda

10 - quarta-feira- Estudo da Umbanda

09 – sexta-feira – Saúde

12 - sexta-feira – Saúde

13 – terça-feira – Saudação Aos Exus – Bênção dos Pães – 20h

13 – sábado – Saudação aos Pretos Velhos

16 – sexta-feira – Não tem Gira

17 – quarta-feira – Doutrina - Vovó Catarina

21 – quart-feira – Doutrina – Vovó Catarina

19 – sexta-feira – Caboclos

23 – sexta-feira – Caboclos

24 – quarta-feira –Saudação à Sta. Sara,

e Povo Cigano

28 – quarta-feira – Doutrina

26 – sexta-feira - Malandros

30 – sexta-feira - Exus

JULHO

AGOSTO

SETEMBRO

05 – quarta-feira – Doutrina

02 – quarta-feira – Estudo da Umbanda

01 – sexta-feira – Pretos Velhos

07 – sexta-feira – Pretos Velhos

04 – sexta-feira – Pretos Velhos

06 – quarta-feira – Estudo da Umbanda

12 – quarta-feira – Estudo da Umbanda

09 – quarta-feira – Doutrina

08 – sexta-feira – Saúde

14 – sexta-feira – Saúde

11 – sexta-feira – Saúde

13 – quarta-feira – Doutrina

19 – quarta-feira – Doutrina – Vovó Catarina

16 – quarta-feira – Saudação à Obaluaê e Omolu

15 – sexta-feira – Caboclos

21 – sexta-feira – Caboclos

18 – sexta-feira – Caboclos

20 - quarta-feira – Doutrina – Vovó Catarina

28 – sexta-feira - Exus

23 – quarta-feira – Doutrina – Vovó Catarina

22 – sexta-feira – Não Tem Gira

25 – sexta-feira – Malandros

24 – Domingo – Saudação à Ibeijada - às 17h

30 – quarta-feira – Doutrina ou Palestra

27 – quarta-feira – Distribuição Doces

29 – sexta - Exus

OUTUBRO

NOVEMBRO

DEZEMBRO

.04 – quarta-feira – Estudo da Umbanda

01 – quarta-feira – Terreiro Fechado

02 - Confraternização

06 – sexta-feira – Pretos Velhos

03 – sexta-feira – Não tem Gira

08 – sexta-feira – Saudação à Oxum e bênção dos Pretos Velhos – 20h

11 – quarta-feira - Não tem Doutrina

08 – quarta-feira – Estudo da Umbanda

09 – Oferendas na Praia – saída 17h

12 – quinta-feira – Cachoeira / Mata

10 - sexta-feira – Saúde

13 – sexta-feira – Não tem Gira

15 – Feriado – Saudação aos Malandros

18 – quarta-feira – Doutrina – Vovó Catarina

17 – sexta-feira – Caboclos

20 – sexta-feira – Caboclos

22 – quarta-feira – Doutrina

25 – quarta-feira – Doutrina – Doutrina ou Palestra

24 – sexta-feira – Exus

27 – sexta-feira - Ciganos

29 – quarta-feira – Doutrina – Vovó Catarina

A giras de sextas-feiras têm início às 20 horas. As fichas são distribuídas a partir de 19:45 até as 21:30. As pessoas que chegarem após este horário receberão apenas o passe, sem consulta.

Nossa casa não cobra consultas nem trabalhos, porém aceitamos colaboração de materiais de uso como velas, fósforos, charutos, fumos, etc...

ATENÇÃO: NÃO É PERMITIDO PARA ATENDIMENTO, PESSOAS COM MINI-SAIAS, SHORTS OU BERMUDAS CURTAS, BLUSAS MUITO DECOTADAS OU MINI-BLUSAS, CAMISETAS TIPO MACHÃO.

A CARIDADE NÃO SERÁ NEGADA, PORÉM RESPEITEM O TEMPLO RELIGIOSO.

(Baixe o seu calendário em PDF, clicando aqui)

Printfriendly