sábado, dezembro 20, 2014

Como você espera ser recebido na sua volta ao mundo espiritual




COMO VOCÊ ESPERA SER RECEBIDO NA SUA VOLTA AO MUNDO ESPIRITUAL


Foto: COMO VOCÊ ESPERA SER RECEBIDO NA SUA VOLTA AO MUNDO ESPIRITUAL
 
A principal dificuldade que um ser desencarnado encontra ao regressar ao Plano Espiritual é a sua adaptação à nova dimensão.
Daí a importância, de quem ficou aqui no plano terreno, em se fazer boas vibrações, orações, evitarem ficar lamentando a perda do ente querido.
Quem está em fase de adaptação na espiritualidade, fica muito sensível aos pensamentos e sentimentos emitidos até ele. O inconformismo da perda, ficar relembrando o momento da morte física, ficar mentalmente os chamando para perto de si, só os deixam ainda mais desesperados e perturbados. Devemos procurar lembrar os melhores momentos com ele vivenciados, visualizá-los felizes, com muita energia e saúde.
Infelizmente não nos preparamos para a morte física. Quem morre é o vizinho, nós nunca morreremos, e muito menos alguém da nossa família, não é assim que pensamos?

A cada reencarnação temos um plano a ser cumprido. E muitas vezes estão relacionadas ao nosso aprimoramento íntimo, em corrigir determinados defeitos comportamentais, além de desenvolver novas aptidões.

Após o desencarne (morte física) vamos para a dimensão astral em que nossos pensamentos e sentimentos estão sintonizados.

Há uma frase muito famosa de Confúcio, antigo filósofo chinês, que resume o que foi dito acima: “Aprende a bem viver e bem saberás morrer!”.
 
I – VOLTANDO AO PLANO ESPIRITUAL

Afinal, o que é morrer (ou desencarnar)? Para os materialistas é apenas a morte do corpo físico. É a visão de que se vive apenas uma vez, depois enterra o corpo e acabou tudo, não há mais nada.

Na visão espiritualista, temos um Espírito que sobrevive após a morte física. Há outra dimensão para onde iremos. Lembram-se do que disse Jesus: “Há muitas moradas na Casa de Meu Pai”? Ou seja, o que fizermos neste mundo terreno é que definirá que camada do plano astral iremos habitar segundo nossas ações e nossos merecimentos.

Quem vive segundo as Leis Divinas, com equilíbrio e Amor, nada tem a temer no momento da passagem para o Plano Espiritual.

Não tenham ilusão que após o nosso desencarne nos tornaremos seres angelicais. Levaremos conosco os mesmos sentimentos e ideias que cultivamos aqui no plano terreno. As afeições, as mágoas, os desejos de vingança, as revoltas são levados para o outro lado desta vida. Ou seja, todas as características psicológicas, emocionais e a nossa forma de pensar são conservadas quando chegamos à esfera espiritual.

Nem todos adquirem a consciência do estado em que se encontra após a sua morte. Isto pode levar um tempo, de acordo com sua evolução espiritual.

A forma como seremos recebidos no Mundo Espiritual depende de pessoa a pessoa. De acordo com a nossa conduta, se procuramos nos aprimorar intimamente, se exercitamos a capacidade do perdão, se ajudamos às pessoas ao nosso redor, ou seja, segundo nossos méritos poderemos ser recebidos pelos nossos familiares e amigos, que nos antecederam na espiritualidade, com os quais tivemos afinidade nesta atual existência.

“A cada um segundo as suas obras.”
 
II – COMO APROVEITAR A ATUAL EXISTÊNCIA E NOS PREPARAR PARA A MORTE

Os Espíritos têm nos alertado constantemente que a maior dificuldade encontrada para quem entra no Plano Espiritual é a sua adaptação a este novo mundo. Para exemplificar, imagine o grau de dificuldade que encontra uma pessoa que morava na zona rural e passa a viver numa grande metrópole. Ou seja, o que estes Irmãos da espiritualidade tem nos alertado é que não nos preparamos para a morte. Como damos trabalho a eles quando chegamos ao outro lado desta vida!

Sabemos que a morte é inevitável. Todos  morreremos um dia. Não adianta negar esta realidade!

Dando outro exemplo: está previsto que um dia iremos habitar outro país de língua diferente, outra cultura, outros costumes, a economia é diferente. Se tivermos bom senso, iremos nos preparar para estudar este outro idioma, procurar entender esta nova cultura, comparar as moedas e custo de vida desta outra civilização. O correto seria isto, já que está previsto esta mudança para este outro país.

Assim é com nosso desencarne. Sempre achamos que nunca vamos partir desta vida, que somos eternos! O nosso corpo físico não é eterno, o Espírito sim!

Sempre quando encarnamos numa determinada existência, temos um propósito, determinadas realizações para serem efetivadas.

Para aproveitarmos realmente a nossa atual encarnação, devemos ficar atentos à nossas potencialidades a serem desenvolvidas, em nossas imperfeições e falhas de comportamentos.

Se formos bastantes críticos, deveremos nessa existência aprender a ser um pouco mais flexível com as pessoas.

Se temos baixa autoestima e sentimento de inferioridade, deveremos aprender a nos valorizarmos e acreditarmos mais em nós mesmos.

Se guardamos muita mágoa, raiva e ressentimentos dos acontecimentos e das pessoas, precisaremos aprender a perdoar.

Quando chegar o momento de desenlace do Espírito em nosso corpo físico, iremos para uma camada do plano astral com os quais os nossos pensamentos e sentimentos terão sintonia.

Para sermos bem recebidos, e termos uma rápida adaptação no Plano Espiritual, façamos as mudanças necessários em nosso íntimo, procurando viver dentro das Leis do Amor que rege o Universo.
 
III – REFORMANDO O NOSSO INTERIOR

Procurando o significado da palavra “reformar” no dicionário Aurélio, encontraremos o seguinte: “dar melhor forma a”, “reconstruir”, “corrigir”, “mudar, alterar, modificar”. Podemos entender por Reforma Intima como a melhoria de nós mesmos, são as correções da nossa forma de pensar, de sentir, do nosso comportamento. É trocar ações errôneas de nosso modo de ser por atitudes positivas, que um dia se tornarão virtudes.

É uma proposta de melhoria gradativa, cujo objetivo é a conquista da nossa felicidade, de nosso bem estar e alcançar a nossa evolução espiritual.

O maior desafio para fazer esta reforma íntima é justamente descobrir o que está errado em nós. Depois de descobrir os nossos erros é saber o que precisa ser feito para efetuar as mudanças e tentar regenerar o nosso modo de agir.

Para começar, faça a si mesmo as seguintes perguntas:

- O que reclamam de mim?

- O que eu fazia anos atrás e, naquela época as pessoas reclamavam de mim, e o que faço hoje? Mudei? Continuam reclamando de mim as mesmas coisas?

- De quem eu sinto raiva? O que me incomoda nesta pessoa? Pode ter certeza que temos o mesmo defeito dentro de nós cujo comportamento desta pessoa nos incomoda. Esta pessoa atua como espelho para as nossas falhas comportamentais. Não adianta ficarmos culpando os outros pelas nossas dificuldades e das situações não estarem dando certo.
Tenha um caderno de anotações. Registre o que acha que tem que mudar. Faça esta lista e veja o que é mais simples para ser corrigido. Bom, aquele que acha que não tem nada para alterar pode ter certeza que está próximo de cometer várias falhas. Estabeleça metas e vá tentando combater um a um estes itens da sua lista.

Ao chegar à noite, antes de adormecer, faça uma revisão de como foi o seu dia. Verifique mentalmente os fatos que ocorreram e veja o que pode ter dado errado e se poderia ter sido feito de uma maneira diferente.

Outras atitudes bastante interessantes que podem nos ajudar na nossa evolução comportamental:

- Silencie durante a ofensa.

- Não revide ao receber uma crítica. Analise a sua conduta.

- Evite criticar e gritar com as pessoas. O seu tom de voz indica, além do seu nível de inteligência, o seu grau de evolução espiritual.

- Baseado nas três citações acima, treine constantemente a paciência.

Reforma íntima é assumirmos os nossos defeitos e estarmos dispostos em efetuar estas correções com determinação e persistência. Não é fácil, mas é preciso sempre dar o primeiro passo. O resultado é muito gratificante.
 

IV – A DISCIPLINA PARA ATINGIR OS NOSSOS OBJETIVOS

Quantas vezes iniciamos determinada atividade e na primeira dificuldade a interrompemos?

Todos nós temos vários hábitos, ou vícios, que desejamos corrigi-los, mas falta aquela força de vontade para superá-los.

Já imaginou um time de futebol não obedecendo às orientações do técnico? Para vencer os jogos e o torneio é preciso de disciplina!

Assim é na nossa vida. Para passar num concurso, para cumprir o prazo de um projeto, para organizar as nossas atividades no dia a dia é necessário também de disciplina.

Mas quando se fala de que é preciso ter disciplina, vem logo à memória àquela coisa totalmente chata, meio militarista, cheio de regras e ordem.
Um time esportivo, uma empresa, o nosso aprimoramento psicológico e espiritual só seremos vencedores se houver planejamento, estabelecimento de metas e organização para cumprir o que foi estabelecido.

Disciplina é um tipo de treinamento específico, deixando e, ao mesmo tempo, criando novos hábitos de pensamento e atitudes para ajudar a superar nossas dificuldades e objetivos.

Estabeleça pequenas tarefas específicas como uma forma de exercício. No começo, quando não gostamos de certa atividade, pode parecer árduo e muito chato, mas quando passar a ser um hábito tudo será mais fácil. Tem que tentar e não desistir.

Não pare nos primeiros fracassos. Às vezes o fracasso ocorre porque estabelecemos metas muito acima do nosso potencial, ou porque criamos uma expectativa muito irreal sobre determinada situação. Ou porque não nos empenhamos o suficiente para alcançar o nosso objetivo. Devemos analisar novamente nossos planos, recomeçar e persistir com mais afinco e determinação. Devemos sempre estar com foco no nosso objetivo final e parar de ficar olhando para trás nos fracassos que ocorreram.

A verdadeira disciplina nasce de um extenso trabalho onde o seu resultado cria uma atitude voluntária e consciente.
 

V – NÃO PERDENDO O FOCO

Já ouvimos diversas vezes alguém reclamar que não realizou determinada tarefa a contento porque não estava concentrado o suficiente, não prestou atenção no recado que recebeu, cometeu um erro banal por distração...

Com nosso estilo de vida, dito moderno, estamos sempre correndo para realizar nossos afazeres e, muitas vezes, diversas atividades ao mesmo tempo. Estamos sempre perdendo o foco da situação e não sabemos o porquê, afinal é sinônimo de produtividade realizar três ou mais atividades simultaneamente.

A ciência já provou, em mais de 10 anos de estudo e experimentos, através da ressonância magnética, que o nosso cérebro não consegue administrar satisfatoriamente a execução de várias tarefas, que requeiram atenção, ao mesmo tempo. Até podemos realizá-las, mas não tão bem para que possamos realmente tirar todos os benefícios. A produtividade será baixa, de má qualidade e a chance de cometer erros é muito grande.

Os mágicos (os ilusionistas) sabem desta verdade. Por isso dividem atenção do espectador para que não consigam se concentrar por inteiro em nenhuma parte do palco, em determinado momento, para realizar as suas apresentações artísticas. Eles criam estímulos visuais em várias partes do palco para desviar atenção do foco principal da apresentação.
Portanto, concentração é a capacidade de ter o foco em apenas um único pensamento, em um único ponto. Estamos concentrados quando temos um único objetivo naquele momento. E para se concentrar é necessário de certa disciplina, ou seja, adotar certos hábitos em nosso dia a dia que nos ajudem a praticá-la:

- Pratique atividades físicas: uma boa caminhada a passos largos ajuda a eliminar o estresse e acalmar os pensamentos.

- Tenha uma boa noite de sono: dormir pouco prejudica a capacidade de raciocínio e de retenção de informações pelo cérebro, além de causar mau humor e irritabilidade.

- Faça uma boa alimentação: uma alimentação equilibrada e colorida, com baixo consumo de gordura, fritura, sal e açúcar ajuda no bom funcionamento de seu organismo e na sua saúde mental.

- Aprendendo a se concentrar: em atividades que exijam grande esforço intelectual, adquira o hábito de fazer pequenos intervalos a cada 2 horas de trabalho. O cansaço mental pode causar lapsos de memória e de concentração. Levante-se, vá tomar uma água, alongue seus braços e pernas, dê uma boa esticada no corpo. Após isto, retorne a sua atividade. A solução geralmente aparece após uma pausa na atividade.
 
VI – MUDANDO NOSSA FORMA DE PENSAR

Podemos afirmar que os pensamentos negativos são outra forma de tirar o foco de nossa concentração.

Ficamos muito tempo nos questionando se vamos conseguir realizar determinada tarefa, que a vida está difícil, nada dá certo, que não vale à pena insistir numa determinada expectativa... É muita energia desperdiçada e muitas vezes antes mesmo de iniciar qualquer atividade e, por consequência, não conseguimos nos concentrar com afinco no que queremos fazer.

A preocupação, que é um processo de repetir sempre um mesmo pensamento e sem chegar a nenhum resultado, nos é prejudicial e após certo tempo pode nos levar a um esgotamento nervoso e a uma irritabilidade muito grande.

Um excelente exercício para se afastar por algum tempo de uma determinada preocupação, é criar uma segunda linha de pensamento, o mais diferente possível, forte e persistente, para que seja suficiente para proporciona um descanso à nossa mente. Quando nos afastamos temporariamente dessa preocupação, obtendo outro foco mental, muitas vezes a solução nos aparece.

O controle mental vem através do nosso esforço, da vontade e da disciplina que cada um queira colocar em sua vida.
Joanna de Ângelis, mentora espiritual do médium Divaldo Franco, nos traz com grande sabedoria, as implicações sobre a nossa forma errônea de pensar:

“A vida mental responde pelas atitudes comportamentais, expressando-se em forma de saúde ou doença conforme o teor vibratório de que se revista. (...) Vários tipos de cânceres, alergias e infecções na esfera física, e neuroses psíquicas, tem sua gênese no comportamento mental e nos seus efeitos morais.”

Quantas vezes somos responsáveis pelas dificuldades que passamos. São pensamentos de medo, sentimento de incapacidade. E por consequência atraímos determinados acontecimentos não desejáveis em nossas vidas.

Todo carma se inicia a partir de um pensamento mal direcionado. Pois este é carregado de energia, emoções e sentimentos.
 
VII – APRENDENDO A PERDOAR

Perdoar não é ficar apático aceitando passivamente os erros alheios. Não é ser conivente com as agressões e abusos que nos fazem, mas é preciso ter compaixão e tolerância pela imperfeição e ignorância espiritual de quem nos causou malefícios.

Um dos primeiros passos para perdoar é mudar a nossa forma de pensar e de sentir em relação ao fato que nos magoou.

É necessário interromper a “guerra mental” com a pessoa em questão: “deveria ter dito isto, agido desta maneira”, ou seja, parar de ficar imaginando constantemente brigas mentais com nosso desafeto. Esse é o procedimento inicial a ser feito. Uma mente desequilibrada dificulta o perdão.

Desconectar-se mentalmente e emocionalmente da situação que nos feriu é um exercício que deve ser feito.

Quem se prende a raiva e ao ressentimento com outra pessoa, está se vinculando a ela para um problema que poderá se prolongar até para encarnações futuras.

Meimei escreveu pelas mãos de Chico Xavier o seguinte: “O silêncio é a gentileza do perdão que se cala e espera o tempo.”.

Só o tempo para limpar as nossas mágoas e ressentimentos!

Lama Gelek Rimpoche, mestre budista tibetano, tem um ensinamento muito bonito sobre uma boa preparação para a morte: “Quando eu for não quero ir com raiva, com insatisfação ou com arrependimento, nem com apego. Eu quero ir como um pássaro, que levanta voo do topo de uma montanha. Não quero ninguém me segurando meus pés. Não quero nenhuma carga nas minhas costas. Quero ir com um Espírito livre.”.

É assim que devemos proceder, pois nunca sabemos a hora exata para voltar ao Plano Espiritual. A única certeza é que a morte (desencarnação) é uma realidade e não tem como fugir dela. Temos que estar sempre preparados. A morte não se improvisa!
 
VIII – COMO VOCÊ ESPERA SER RECEBIDO NA SUA VOLTA AO MUNDO ESPIRITUAL?

Somos Espíritos em evolução. Sofremos porque não respeitamos as Leis que regem o Universo. Parece que sentimos o prazer em ficar sofrendo. E muitas vezes, para amenizar a nossa dor, procuramos causar danos nas outras pessoas.

Infelizmente o sofrimento ocorre porque fazemos as escolhas erradas, geralmente as que contrariam as Leis do Amor e da Harmonia, a Lei da Causa e Efeito. Para cada atitude errônea ocorre, para o nosso aprendizado, um acontecimento reparador e educador. Deus não pune ou castiga, educa! E muitas vezes através do sofrimento.

Viemos para sermos felizes, para nos tornarmos criaturas cada vez mais evoluídas dentro da Lei do Amor.

Viemos a este planeta para corrigir nossos defeitos (reforma íntima), ter força de vontade e determinação para saná-los (disciplina), procurando mudar a nossa forma de pensar e racionar, se concentrando nos objetivos estabelecidos para encontrarmos o progresso e fazermos sempre o bem, seja a nós mesmos e ao próximo.

Os Espíritos, através de diversos livros psicografados, nos têm alertado que muitas pessoas, pela vida irregular que levam, ao desencarnarem passam um bom período numa região na espiritualidade chamada Umbral. A título de exemplo, veja o que aconteceu com André Luiz, relatado por ele mesmo através de Chico Xavier, no livro “Nosso Lar”. O Umbral é uma região de muito sofrimento e dor.

De acordo com os nossos pensamentos, os nossos sentimentos e, principalmente, através das nossas atitudes é que seremos merecedores de uma boa recepção na entrada do mundo espiritual.

Deus nos deu a inteligência e, o que chamamos de livre-arbítrio, a liberdade de escolha, desde que arcamos com as consequências desta escolha.

Como você quer ser recebido na sua volta ao Plano Espiritual? Conforme você viver, será a sua recepção!
 
Rubens Santini – junho/2013.
 
Fontes bibliográficas utilizadas como pesquisa

(1) “A Arte da Concentração” – Harriet Griffey.
(2) “A Educação dos Sentimentos” – Jason de Camargo.
(3) “A Reforma Íntima começa antes do berço” – Américo Marques Canhoto.
(4) “Anatomia do Desencarne” – Cícero Marcos Teixeira.
(5) “Liberta-se do Mal” – Joanna de Ângelis através de Divaldo Franco.
(6) “Mediunidade: caminho para ser feliz” – Suely Caldas Schubert.
(7) “Horizontes da Mente” – Miramez através de João Nunes Maia.
(8) “Horizontes da Fala” – Miramez através de João Nunes Maia.
(9) “Horizontes da Vida” – Miramez através de João Nunes Maia.
(10) “Violetas na Janela” – Patrícia através de Vera Lúcia M. Carvalho.
(11) “Como aproveitar sua encarnação” – Mauro Kwitko.
(12) “Truque da Mente: O que a mágica revela sobre nosso cérebro” – Stephen L. Macknick e Susana Martinez-Conde.
(13) “O Evangelho Segundo o Espiritismo” – Allan Kardec.
(14) “Nosso Lar” – André Luiz através de Chico Xavier.
 
A cópia é permitida, desde que sejam citadas as fontes bibliográficas. São Paulo, junho de 2013.

George Vespasiano – Grupo “O Amor em Ação” (26/01/2014).
A principal dificuldade que um ser desencarnado encontra ao regressar ao Plano Espiritual é a sua adaptação à nova dimensão.
Daí a importância, de quem ficou aqui no plano terreno, em se fazer boas vibrações, orações, evitarem ficar lamentando a perda do ente querido.
Quem está em fase de adaptação na espiritualidade, fica muito sensível aos pensamentos e sentimentos emitidos até ele. O inconformismo da perda, ficar relembrando o momento da morte física, ficar mentalmente os chamando para perto de si, só os deixam ainda mais desesperados e perturbados. Devemos procurar lembrar os melhores momentos com ele vivenciados, visualizá-los felizes, com muita energia e saúde.
Infelizmente não nos preparamos para a morte física. Quem morre é o vizinho, nós nunca morreremos, e muito menos alguém da nossa família, não é assim que pensamos?

A cada reencarnação temos um plano a ser cumprido. E muitas vezes estão relacionadas ao nosso aprimoramento íntimo, em corrigir determinados defeitos comportamentais, além de desenvolver novas aptidões.

Após o desencarne (morte física) vamos para a dimensão astral em que nossos pensamentos e sentimentos estão sintonizados.

Há uma frase muito famosa de Confúcio, antigo filósofo chinês, que resume o que foi dito acima: “Aprende a bem viver e bem saberás morrer!”.

I – VOLTANDO AO PLANO ESPIRITUAL

Afinal, o que é morrer (ou desencarnar)? Para os materialistas é apenas a morte do corpo físico. É a visão de que se vive apenas uma vez, depois enterra o corpo e acabou tudo, não há mais nada.

Na visão espiritualista, temos um Espírito que sobrevive após a morte física. Há outra dimensão para onde iremos. Lembram-se do que disse Jesus: “Há muitas moradas na Casa de Meu Pai”? Ou seja, o que fizermos neste mundo terreno é que definirá que camada do plano astral iremos habitar segundo nossas ações e nossos merecimentos.

Quem vive segundo as Leis Divinas, com equilíbrio e Amor, nada tem a temer no momento da passagem para o Plano Espiritual.

Não tenham ilusão que após o nosso desencarne nos tornaremos seres angelicais. Levaremos conosco os mesmos sentimentos e ideias que cultivamos aqui no plano terreno. As afeições, as mágoas, os desejos de vingança, as revoltas são levados para o outro lado desta vida. Ou seja, todas as características psicológicas, emocionais e a nossa forma de pensar são conservadas quando chegamos à esfera espiritual.

Nem todos adquirem a consciência do estado em que se encontra após a sua morte. Isto pode levar um tempo, de acordo com sua evolução espiritual.

A forma como seremos recebidos no Mundo Espiritual depende de pessoa a pessoa. De acordo com a nossa conduta, se procuramos nos aprimorar intimamente, se exercitamos a capacidade do perdão, se ajudamos às pessoas ao nosso redor, ou seja, segundo nossos méritos poderemos ser recebidos pelos nossos familiares e amigos, que nos antecederam na espiritualidade, com os quais tivemos afinidade nesta atual existência.

“A cada um segundo as suas obras.”

II – COMO APROVEITAR A ATUAL EXISTÊNCIA E NOS PREPARAR PARA A MORTE

Os Espíritos têm nos alertado constantemente que a maior dificuldade encontrada para quem entra no Plano Espiritual é a sua adaptação a este novo mundo. Para exemplificar, imagine o grau de dificuldade que encontra uma pessoa que morava na zona rural e passa a viver numa grande metrópole. Ou seja, o que estes Irmãos da espiritualidade tem nos alertado é que não nos preparamos para a morte. Como damos trabalho a eles quando chegamos ao outro lado desta vida!

Sabemos que a morte é inevitável. Todos morreremos um dia. Não adianta negar esta realidade!

Dando outro exemplo: está previsto que um dia iremos habitar outro país de língua diferente, outra cultura, outros costumes, a economia é diferente. Se tivermos bom senso, iremos nos preparar para estudar este outro idioma, procurar entender esta nova cultura, comparar as moedas e custo de vida desta outra civilização. O correto seria isto, já que está previsto esta mudança para este outro país.

Assim é com nosso desencarne. Sempre achamos que nunca vamos partir desta vida, que somos eternos! O nosso corpo físico não é eterno, o Espírito sim!

Sempre quando encarnamos numa determinada existência, temos um propósito, determinadas realizações para serem efetivadas.

Para aproveitarmos realmente a nossa atual encarnação, devemos ficar atentos à nossas potencialidades a serem desenvolvidas, em nossas imperfeições e falhas de comportamentos.

Se formos bastantes críticos, deveremos nessa existência aprender a ser um pouco mais flexível com as pessoas.

Se temos baixa autoestima e sentimento de inferioridade, deveremos aprender a nos valorizarmos e acreditarmos mais em nós mesmos.

Se guardamos muita mágoa, raiva e ressentimentos dos acontecimentos e das pessoas, precisaremos aprender a perdoar.

Quando chegar o momento de desenlace do Espírito em nosso corpo físico, iremos para uma camada do plano astral com os quais os nossos pensamentos e sentimentos terão sintonia.

Para sermos bem recebidos, e termos uma rápida adaptação no Plano Espiritual, façamos as mudanças necessários em nosso íntimo, procurando viver dentro das Leis do Amor que rege o Universo.

III – REFORMANDO O NOSSO INTERIOR

Procurando o significado da palavra “reformar” no dicionário Aurélio, encontraremos o seguinte: “dar melhor forma a”, “reconstruir”, “corrigir”, “mudar, alterar, modificar”. Podemos entender por Reforma Intima como a melhoria de nós mesmos, são as correções da nossa forma de pensar, de sentir, do nosso comportamento. É trocar ações errôneas de nosso modo de ser por atitudes positivas, que um dia se tornarão virtudes.

É uma proposta de melhoria gradativa, cujo objetivo é a conquista da nossa felicidade, de nosso bem estar e alcançar a nossa evolução espiritual.

O maior desafio para fazer esta reforma íntima é justamente descobrir o que está errado em nós. Depois de descobrir os nossos erros é saber o que precisa ser feito para efetuar as mudanças e tentar regenerar o nosso modo de agir.

Para começar, faça a si mesmo as seguintes perguntas:

- O que reclamam de mim?

- O que eu fazia anos atrás e, naquela época as pessoas reclamavam de mim, e o que faço hoje? Mudei? Continuam reclamando de mim as mesmas coisas?

- De quem eu sinto raiva? O que me incomoda nesta pessoa? Pode ter certeza que temos o mesmo defeito dentro de nós cujo comportamento desta pessoa nos incomoda. Esta pessoa atua como espelho para as nossas falhas comportamentais. Não adianta ficarmos culpando os outros pelas nossas dificuldades e das situações não estarem dando certo.
Tenha um caderno de anotações. Registre o que acha que tem que mudar. Faça esta lista e veja o que é mais simples para ser corrigido. Bom, aquele que acha que não tem nada para alterar pode ter certeza que está próximo de cometer várias falhas. Estabeleça metas e vá tentando combater um a um estes itens da sua lista.

Ao chegar à noite, antes de adormecer, faça uma revisão de como foi o seu dia. Verifique mentalmente os fatos que ocorreram e veja o que pode ter dado errado e se poderia ter sido feito de uma maneira diferente.

Outras atitudes bastante interessantes que podem nos ajudar na nossa evolução comportamental:

- Silencie durante a ofensa.

- Não revide ao receber uma crítica. Analise a sua conduta.

- Evite criticar e gritar com as pessoas. O seu tom de voz indica, além do seu nível de inteligência, o seu grau de evolução espiritual.

- Baseado nas três citações acima, treine constantemente a paciência.

Reforma íntima é assumirmos os nossos defeitos e estarmos dispostos em efetuar estas correções com determinação e persistência. Não é fácil, mas é preciso sempre dar o primeiro passo. O resultado é muito gratificante.


IV – A DISCIPLINA PARA ATINGIR OS NOSSOS OBJETIVOS

Quantas vezes iniciamos determinada atividade e na primeira dificuldade a interrompemos?

Todos nós temos vários hábitos, ou vícios, que desejamos corrigi-los, mas falta aquela força de vontade para superá-los.

Já imaginou um time de futebol não obedecendo às orientações do técnico? Para vencer os jogos e o torneio é preciso de disciplina!

Assim é na nossa vida. Para passar num concurso, para cumprir o prazo de um projeto, para organizar as nossas atividades no dia a dia é necessário também de disciplina.

Mas quando se fala de que é preciso ter disciplina, vem logo à memória àquela coisa totalmente chata, meio militarista, cheio de regras e ordem.
Um time esportivo, uma empresa, o nosso aprimoramento psicológico e espiritual só seremos vencedores se houver planejamento, estabelecimento de metas e organização para cumprir o que foi estabelecido.

Disciplina é um tipo de treinamento específico, deixando e, ao mesmo tempo, criando novos hábitos de pensamento e atitudes para ajudar a superar nossas dificuldades e objetivos.

Estabeleça pequenas tarefas específicas como uma forma de exercício. No começo, quando não gostamos de certa atividade, pode parecer árduo e muito chato, mas quando passar a ser um hábito tudo será mais fácil. Tem que tentar e não desistir.

Não pare nos primeiros fracassos. Às vezes o fracasso ocorre porque estabelecemos metas muito acima do nosso potencial, ou porque criamos uma expectativa muito irreal sobre determinada situação. Ou porque não nos empenhamos o suficiente para alcançar o nosso objetivo. Devemos analisar novamente nossos planos, recomeçar e persistir com mais afinco e determinação. Devemos sempre estar com foco no nosso objetivo final e parar de ficar olhando para trás nos fracassos que ocorreram.

A verdadeira disciplina nasce de um extenso trabalho onde o seu resultado cria uma atitude voluntária e consciente.


V – NÃO PERDENDO O FOCO

Já ouvimos diversas vezes alguém reclamar que não realizou determinada tarefa a contento porque não estava concentrado o suficiente, não prestou atenção no recado que recebeu, cometeu um erro banal por distração...

Com nosso estilo de vida, dito moderno, estamos sempre correndo para realizar nossos afazeres e, muitas vezes, diversas atividades ao mesmo tempo. Estamos sempre perdendo o foco da situação e não sabemos o porquê, afinal é sinônimo de produtividade realizar três ou mais atividades simultaneamente.

A ciência já provou, em mais de 10 anos de estudo e experimentos, através da ressonância magnética, que o nosso cérebro não consegue administrar satisfatoriamente a execução de várias tarefas, que requeiram atenção, ao mesmo tempo. Até podemos realizá-las, mas não tão bem para que possamos realmente tirar todos os benefícios. A produtividade será baixa, de má qualidade e a chance de cometer erros é muito grande.

Os mágicos (os ilusionistas) sabem desta verdade. Por isso dividem atenção do espectador para que não consigam se concentrar por inteiro em nenhuma parte do palco, em determinado momento, para realizar as suas apresentações artísticas. Eles criam estímulos visuais em várias partes do palco para desviar atenção do foco principal da apresentação.
Portanto, concentração é a capacidade de ter o foco em apenas um único pensamento, em um único ponto. Estamos concentrados quando temos um único objetivo naquele momento. E para se concentrar é necessário de certa disciplina, ou seja, adotar certos hábitos em nosso dia a dia que nos ajudem a praticá-la:

- Pratique atividades físicas: uma boa caminhada a passos largos ajuda a eliminar o estresse e acalmar os pensamentos.

- Tenha uma boa noite de sono: dormir pouco prejudica a capacidade de raciocínio e de retenção de informações pelo cérebro, além de causar mau humor e irritabilidade.

- Faça uma boa alimentação: uma alimentação equilibrada e colorida, com baixo consumo de gordura, fritura, sal e açúcar ajuda no bom funcionamento de seu organismo e na sua saúde mental.

- Aprendendo a se concentrar: em atividades que exijam grande esforço intelectual, adquira o hábito de fazer pequenos intervalos a cada 2 horas de trabalho. O cansaço mental pode causar lapsos de memória e de concentração. Levante-se, vá tomar uma água, alongue seus braços e pernas, dê uma boa esticada no corpo. Após isto, retorne a sua atividade. A solução geralmente aparece após uma pausa na atividade.

VI – MUDANDO NOSSA FORMA DE PENSAR

Podemos afirmar que os pensamentos negativos são outra forma de tirar o foco de nossa concentração.

Ficamos muito tempo nos questionando se vamos conseguir realizar determinada tarefa, que a vida está difícil, nada dá certo, que não vale à pena insistir numa determinada expectativa... É muita energia desperdiçada e muitas vezes antes mesmo de iniciar qualquer atividade e, por consequência, não conseguimos nos concentrar com afinco no que queremos fazer.

A preocupação, que é um processo de repetir sempre um mesmo pensamento e sem chegar a nenhum resultado, nos é prejudicial e após certo tempo pode nos levar a um esgotamento nervoso e a uma irritabilidade muito grande.

Um excelente exercício para se afastar por algum tempo de uma determinada preocupação, é criar uma segunda linha de pensamento, o mais diferente possível, forte e persistente, para que seja suficiente para proporciona um descanso à nossa mente. Quando nos afastamos temporariamente dessa preocupação, obtendo outro foco mental, muitas vezes a solução nos aparece.

O controle mental vem através do nosso esforço, da vontade e da disciplina que cada um queira colocar em sua vida.
Joanna de Ângelis, mentora espiritual do médium Divaldo Franco, nos traz com grande sabedoria, as implicações sobre a nossa forma errônea de pensar:

“A vida mental responde pelas atitudes comportamentais, expressando-se em forma de saúde ou doença conforme o teor vibratório de que se revista. (...) Vários tipos de cânceres, alergias e infecções na esfera física, e neuroses psíquicas, tem sua gênese no comportamento mental e nos seus efeitos morais.”

Quantas vezes somos responsáveis pelas dificuldades que passamos. São pensamentos de medo, sentimento de incapacidade. E por consequência atraímos determinados acontecimentos não desejáveis em nossas vidas.

Todo carma se inicia a partir de um pensamento mal direcionado. Pois este é carregado de energia, emoções e sentimentos.

VII – APRENDENDO A PERDOAR

Perdoar não é ficar apático aceitando passivamente os erros alheios. Não é ser conivente com as agressões e abusos que nos fazem, mas é preciso ter compaixão e tolerância pela imperfeição e ignorância espiritual de quem nos causou malefícios.

Um dos primeiros passos para perdoar é mudar a nossa forma de pensar e de sentir em relação ao fato que nos magoou.

É necessário interromper a “guerra mental” com a pessoa em questão: “deveria ter dito isto, agido desta maneira”, ou seja, parar de ficar imaginando constantemente brigas mentais com nosso desafeto. Esse é o procedimento inicial a ser feito. Uma mente desequilibrada dificulta o perdão.

Desconectar-se mentalmente e emocionalmente da situação que nos feriu é um exercício que deve ser feito.

Quem se prende a raiva e ao ressentimento com outra pessoa, está se vinculando a ela para um problema que poderá se prolongar até para encarnações futuras.

Meimei escreveu pelas mãos de Chico Xavier o seguinte: “O silêncio é a gentileza do perdão que se cala e espera o tempo.”.

Só o tempo para limpar as nossas mágoas e ressentimentos!

Lama Gelek Rimpoche, mestre budista tibetano, tem um ensinamento muito bonito sobre uma boa preparação para a morte: “Quando eu for não quero ir com raiva, com insatisfação ou com arrependimento, nem com apego. Eu quero ir como um pássaro, que levanta voo do topo de uma montanha. Não quero ninguém me segurando meus pés. Não quero nenhuma carga nas minhas costas. Quero ir com um Espírito livre.”.

É assim que devemos proceder, pois nunca sabemos a hora exata para voltar ao Plano Espiritual. A única certeza é que a morte (desencarnação) é uma realidade e não tem como fugir dela. Temos que estar sempre preparados. A morte não se improvisa!

VIII – COMO VOCÊ ESPERA SER RECEBIDO NA SUA VOLTA AO MUNDO ESPIRITUAL?

Somos Espíritos em evolução. Sofremos porque não respeitamos as Leis que regem o Universo. Parece que sentimos o prazer em ficar sofrendo. E muitas vezes, para amenizar a nossa dor, procuramos causar danos nas outras pessoas.

Infelizmente o sofrimento ocorre porque fazemos as escolhas erradas, geralmente as que contrariam as Leis do Amor e da Harmonia, a Lei da Causa e Efeito. Para cada atitude errônea ocorre, para o nosso aprendizado, um acontecimento reparador e educador. Deus não pune ou castiga, educa! E muitas vezes através do sofrimento.

Viemos para sermos felizes, para nos tornarmos criaturas cada vez mais evoluídas dentro da Lei do Amor.

Viemos a este planeta para corrigir nossos defeitos (reforma íntima), ter força de vontade e determinação para saná-los (disciplina), procurando mudar a nossa forma de pensar e racionar, se concentrando nos objetivos estabelecidos para encontrarmos o progresso e fazermos sempre o bem, seja a nós mesmos e ao próximo.

Os Espíritos, através de diversos livros psicografados, nos têm alertado que muitas pessoas, pela vida irregular que levam, ao desencarnarem passam um bom período numa região na espiritualidade chamada Umbral. A título de exemplo, veja o que aconteceu com André Luiz, relatado por ele mesmo através de Chico Xavier, no livro “Nosso Lar”. O Umbral é uma região de muito sofrimento e dor.

De acordo com os nossos pensamentos, os nossos sentimentos e, principalmente, através das nossas atitudes é que seremos merecedores de uma boa recepção na entrada do mundo espiritual.

Deus nos deu a inteligência e, o que chamamos de livre-arbítrio, a liberdade de escolha, desde que arcamos com as consequências desta escolha.

Como você quer ser recebido na sua volta ao Plano Espiritual? Conforme você viver, será a sua recepção!

Rubens Santini – junho/2013.

Fontes bibliográficas utilizadas como pesquisa

(1) “A Arte da Concentração” – Harriet Griffey.
(2) “A Educação dos Sentimentos” – Jason de Camargo.
(3) “A Reforma Íntima começa antes do berço” – Américo Marques Canhoto.
(4) “Anatomia do Desencarne” – Cícero Marcos Teixeira.
(5) “Liberta-se do Mal” – Joanna de Ângelis através de Divaldo Franco.
(6) “Mediunidade: caminho para ser feliz” – Suely Caldas Schubert.
(7) “Horizontes da Mente” – Miramez através de João Nunes Maia.
(8) “Horizontes da Fala” – Miramez através de João Nunes Maia.
(9) “Horizontes da Vida” – Miramez através de João Nunes Maia.
(10) “Violetas na Janela” – Patrícia através de Vera Lúcia M. Carvalho.
(11) “Como aproveitar sua encarnação” – Mauro Kwitko.
(12) “Truque da Mente: O que a mágica revela sobre nosso cérebro” – Stephen L. Macknick e Susana Martinez-Conde.
(13) “O Evangelho Segundo o Espiritismo” – Allan Kardec.
(14) “Nosso Lar” – André Luiz através de Chico Xavier.

A cópia é permitida, desde que sejam citadas as fontes bibliográficas. São Paulo, junho de 2013.

George Vespasiano – Grupo “O Amor em Ação” (26/01/2014).


https://www.facebook.com/pages/Espiritualidade-e-eencarna%C3%A7%C3%A3o/425892790763632



Nenhum comentário:

Calendário Assistência 2017

TENDA ESPÍRITA MAMÃE OXUM

CALENDÁRIO ASSISTÊNCIA - 2017.

C.E. Miguel Arcanjo e Tenda Espirita Mamãe Oxum-

Rua Francisco Framback, 91 E – Cascatinha - Petrópolis - RJ

ABRIL

MAIO

JUNHO

23 – Reabertura do Terreiro às 20h – Saudação à Ogum

02 – sexta-feira – Pretos Velhos

28 - sexta-feira - Exus

05 - sexta-feira – Pretos Velhos

07 – quarta-feira – Estudo da Umbanda

10 - quarta-feira- Estudo da Umbanda

09 – sexta-feira – Saúde

12 - sexta-feira – Saúde

13 – terça-feira – Saudação Aos Exus – Bênção dos Pães – 20h

13 – sábado – Saudação aos Pretos Velhos

16 – sexta-feira – Não tem Gira

17 – quarta-feira – Doutrina - Vovó Catarina

21 – quart-feira – Doutrina – Vovó Catarina

19 – sexta-feira – Caboclos

23 – sexta-feira – Caboclos

24 – quarta-feira –Saudação à Sta. Sara,

e Povo Cigano

28 – quarta-feira – Doutrina

26 – sexta-feira - Malandros

30 – sexta-feira - Exus

JULHO

AGOSTO

SETEMBRO

05 – quarta-feira – Doutrina

02 – quarta-feira – Doutrina

01 – sexta-feira – Pretos Velhos

07 – sexta-feira – Pretos Velhos

04 – sexta-feira – Pretos Velhos

06 – quarta-feira – Doutrina

12 – quarta-feira – Estudo da Umbanda

09 – quarta-feira – Estudo da Umbanda

08 – sexta-feira – Saúde

14 – sexta-feira – Saúde

11 – sexta-feira – Saúde

13 – quarta-feira – Estudo da Umbanda

19 – quarta-feira – Doutrina – Vovó Catarina

16 – quarta-feira – Saudação à Obaluaê e Omolu

15 – sexta-feira – Caboclos

21 – sexta-feira – Caboclos

18 – sexta-feira – Caboclos

20 - quarta-feira – Doutrina – Vovó Catarina

28 – Sexta feira - Exus

23 – quarta-feira – Doutrina – Vovó Catarina

22 – sexta-feira – Não Tem Gira


25 – sexta-feira – Malandros

24 – Domingo – Saudação à Ibeijada - às 17h

30 – quarta-feira - Doutrina

27 – quarta-feira – Distribuição Doces

29 – sexta - Exus

OUTUBRO

NOVEMBRO

DEZEMBRO

.04 – quarta-feira – Doutrina

01 – quarta-feira – Terreiro Fechado

02 - Confraternização

06 – sexta-feira – Pretos Velhos

03 – sexta-feira – Não tem Gira

08 – sexta-feira – Saudação à Oxum e bênção dos Pretos Velhos – 20h

11 – quarta-feira - Não tem Esudo Umb.

08 – quarta-feira –Doutrina

09 – Oferendas na Praia – saída 17h

12 – quinta-feira – Cachoeira / Mata

10 - sexta-feira – Saúde

13 – sexta-feira – Não tem Gira

15 – Feriado – Saudação aos Malandros

18 – quarta-feira – Estudo da Umbanda

17 – sexta-feira – Caboclos

20 – sexta-feira – Caboclos

22 – quarta-feira – Estudo da Umbanda

25 – quarta-feira – Doutrina – Vovó Catarina

24 – sexta-feira – Exus

27 – sexta-feira - Ciganos

29 – quarta-feira – Doutrina – Vovó Catarina

A giras de sextas-feiras têm início às 20 horas. As fichas são distribuídas a partir de 19:45 até as 21:30. As pessoas que chegarem após este horário receberão apenas o passe, sem consulta.

Nossa casa não cobra consultas nem trabalhos, porém aceitamos colaboração de materiais de uso como velas, fósforos, charutos, fumos, etc...

ATENÇÃO: NÃO É PERMITIDO PARA ATENDIMENTO, PESSOAS COM MINI-SAIAS, SHORTS OU BERMUDAS CURTAS, BLUSAS MUITO DECOTADAS OU MINI-BLUSAS, CAMISETAS TIPO MACHÃO.

A CARIDADE NÃO SERÁ NEGADA, PORÉM RESPEITEM O TEMPLO RELIGIOSO.

Baixe o seu Calendário clicando no link abaixo:

https://drive.google.com/file/d/0B_tHAuZk-NssSVY4TG1HYVQzVTg/view?usp=sharing


Printfriendly